UFC 232 coloca frente a frente as campeãs Cris Cyborg e Amanda Nunes

Luta será realizada neste sábado, no octógono do The Forum, em Los Angeles.

Cris Cyborg e Amanda Nunes protagonizam neste saábado uma das maiores lutas de todos os tempos no MMA feminino.

Para fechar o ano de 2018, o UFC traz um dos eventos mais aguardados da história da organização. A noite deste sábado (29) coloca frente a frente as campeãs brasileiras Cris Cyborg e Amanda Nunes no octógono do The Forum, em Los Angeles, na Califórnia, para protagonizar uma das maiores lutas de todos os tempos e marcar o auge do MMA feminino no Ultimate.

Em jogo estará o cinturão peso pena, garantido por Cyborg em julho de 2017. A paranaense, que não sabe o que é uma derrota no MMA profissional há 13 anos, já fez três defesas de título e sua última vitória aconteceu em março deste ano sobre a russa Yana Kunitskaya.

Apesar da longa invencibilidade, Cyborg afirma que não pensa nos resultados anteriores e o foco é buscar uma evolução no esporte a cada desafio que enfrenta. “A invencibilidade é uma consequência e eu não penso nisso quando vou lutar. Tento fazer o meu melhor e vou sempre em busca da vitória”, conta, em entrevista ao Estado.

Do outro lado, Amanda mantém o seu cinturão da categoria peso galo e tenta fazer história. Caso conquiste a vitória sobre a compatriota, ela se tornará a primeira mulher com dois cinturões dentro do UFC. Em seu cartel conta com 16 vitórias e apenas quatro derrotas.

“Estou preparada para encarar a Cyborg desde o dia que pedi a luta e ansiosa na dose certa, nem muito ansiosa, nem muito tranquila. Bem focada no que tenho de fazer”, diz Amanda Nunes, ciente de que precisa encontrar a vulnerabilidade de sua adversária. “Todo atleta tem um ponto fraco. A gente trabalhou bastante para estar atenta para, na luta, conseguir ser rápida e aproveitar qualquer situação”, completa.

A luta entre as duas campeãs é considerada umas importantes para o MMA mundial, por se tratar dos melhores nomes da categoria feminina na atualidade. As brasileiras evidenciam a importância das mulheres dentro da organização e enaltecem o País, que carece de títulos masculinos.

Depois de grande lutadores como Anderson Silva, José Aldo, Minotauro e Vitor Belfort levar o nome do Brasil pelo mundo, chegou a vez das únicas campeãs do País representarem uma valorização que buscam há anos. Para os fãs, o encontro entre Cyborg e Amanda é tão aguardado quanto o retorno de Jon Jones, que encara Alexander Gustafsson na luta principal da noite.