Teri Hatcher, atriz famosa por seus papéis em Desperate Housewives e Supergirl, publicou uma carta aberta a Donald Trump em seu Instagram, na qual ela narra o estupro que sofreu aos 5 anos de idade.

Hatcher fez isso como uma resposta ao presidente Trump, que zombou publicamente de Christine Blasey Ford, uma professora universitária. Após a nomeação de Brett Kavanaugh à Suprema Corte, Ford o acusou de tê-la estuprado em 1982, quando ela tinha 15 anos e ele, 17.

Ao se posicionar na corte contra Kavanaugh, Ford contou que estava apavorada. E justificou: “Eu estou aqui porque acredito que é meu dever civil contar a vocês o que aconteceu comigo quando Brett Kavanaugh e eu estávamos no ensino médio”. Ford conta que ele a segurou contra a cama, tirando suas roupas com uma mão e segurando sua boca com a outra, enquanto ela chorava. Kavanaugh nega todas as acusações.

O presidente Trump, durante uma campanha no Mississipi, questionou publicamente a denúncia de Ford, zombando do fato de ela não se lembrar de alguns detalhes do ocorrido, como o bairro ou a casa. Hatcher revoltou-se contra isso e fez uma nota pública: “Sr. Presidente @realDonaldTrump, eu gostaria de usar essa oportunidade para explicar o que é o processo de tentar se lembrar de uma violência sexual”, usando a hashtag do movimento MeToo.

Em 2006, a atriz revelou ao público que foi estuprada por seu próprio tio quando tinha 5 anos. Em sua carta, Hatcher compara-se a Ford, ao dizer que também não se lembra de tudo o que aconteceu durante o ato.

“É disso que eu me lembro: seu pênis ereto, que ele acariciava enquanto sentava atrás do volante do carro. ‘Você quer pegar nele?’, ele perguntou. Eu disse ‘Não.’ Ele pegou minha mão para pegar de qualquer forma. Era rosa. Havia lenços. Eu não sabia para que eles serviam, mas então eu soube. Eu estava virada para o assento, olhando para o chão, enquanto ele me violava. Ele disse: ‘Você gosta de sentir isso?’ Eu disse: ‘Não.’ Ele disse: ‘Um dia você vai [gostar].'”

Teri Hatcher e outras atrizes se juntam em defesa de Ford

E ela acrescenta que, como Ford, ela não se lembra de alguns detalhes: onde aconteceu, como ela chegou lá, como ela voltou para casa ou quando aconteceu, ou mesmo se alguém estava bebendo. Ela conclui sua carta se dirigindo diretamente a Donald Trump. “Eu sou uma sobrevivente, que se posiciona para ajudar que você entenda como memórias de um trauma como esse funcionam. Pode ser difícil para você entender. Eu posso explicar detalhadamente que ‘Eu não me lembro’ é frequentemente a resposta mais honesta após perguntas sobre uma violência. Isso NÃO significa que não aconteceu.”

Teri Hatcher não é a única atriz que saiu em defesa de Ford, narrando um próprio trauma. Ellen DeGeneres, Connie Chung e Busy Phillips se juntaram às denúncias. Phillips, inclusive, conta que guardou seu abuso em segredo por 25 anos: “Hoje é o dia em que não há mais silêncio. Para todas nós. Estou nervosa por postar isso. Não consigo nem imaginar o que a Dr. Ford está sentindo agora”.

Além das atrizes, outras duas mulheres vieram a público para denunciar Brett Kavanaugh por violência sexual: Deborah Ramirez e Julie Swetnick. Kavanaugh continua a negar todas as acusações.

Este texto foi escrito por Verenna Klein via nexperts.