‘Se dirigente do PT errou e há provas, tem de ir para cadeia’, diz Haddad

Candidato petista diz que falta de controles em estatais levou a casos de corrupção nos governos do partido.

Questionado sobre a necessidade de autocrítica às gestões petistas, Haddad disse que faz críticas rotineiramente.

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, disse neste sábado (13), que dirigentes do partido que enriqueceram com crimes de corrupção têm de ir para cadeia, desde que haja provas de irregularidades. O petista também atribuiu parte dos casos de corrupção nas gestões de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff a falta de controles internos em empresas estatais.

“Faltou controle interno nas estatais, isso é claro. Os diretores ficaram soltos para promover a corrupção e se enriquecer pessoalmente”, disse Haddad, em ato de campanha na periferia de São Paulo. “Se algum dirigente (do partido) cometeu erro, garantido o amplo direito de defesa, se concluir que enriqueceu, tem que ir pra cadeia. Com provas”.

De acordo com Haddad, a gestão dele no Ministério da Educação será um exemplo aos órgãos do governo se ele for eleito presidente da República. “Não tivemos caso de corrupção no Ministério que eu comandei durante seis, quase sete anos, porque tínhamos controladoria forte. Éramos um dos maiores orçamentos da República. Este mesmo tipo de controle à corrupção nós vamos ter nas estatais”, afirmou o candidato.

Questionado sobre a necessidade de autocrítica às gestões petistas, Haddad disse que faz críticas rotineiramente. “Todo dia eu faço crítica a alguma coisa que foi feita equivocada mostrando o caminho para superar. Eu tenho de apontar os caminhos de superação”, respondeu.

Haddad vinha sendo cobrado para fazer autocríticas aos erros do PT, principalmente por setores mais ligados ao centro que hesitam em aderir à sua candidatura contra Jair Bolsonaro, do PSL.