Se você curte dar uma espiadinha nas redes sociais quando está de bobeira na cama antes de dormir, talvez repense seus hábitos. Uma pesquisa realizada por Brian Primack, diretor do Centro de Pesquisa em Mídia, Tecnologia e Saúde da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, revela qual é o pior horário para usar o Instagram, por exemplo.

<span class="hidden">–</span>Reprodução

De acordo com o cientista, independentemente de quanto tempo você passou no celular durante o dia, os últimos 30 minutos são sempre os mais prejudiciais, isso porque eles, geralmente, antecedem o sono. Sim, aquela “última checada” nas redes é a mais maléfica de t-o-d-a-s.

Uma das consequências negativas desse ato é a falta de sono. A luz azul emitida pelas telas dos aparelhos (inclusive de tablets, notebooks e televisores) inibe fortemente os níveis de melatonina produzidos pelo nosso organismo, sendo que essa é justamente a substância responsável por nos mandar o recado de que “epa, é hora de dormir!”.

Pessoas que têm insônia devem se livrar ainda mais desse hábito. O estudo realizado por Primack mostra que, quanto mais a pessoa usa as redes sociais, mais ela tem riscos de sofrer depressão. É claro que não é uma regra, mas os índices são grandes. A sensação de isolamento e silenciamento social que o Instagram cria, por exemplo, é preocupante, pois faz muitos internautas acharem erroneamente que a vida dos outros é perfeita e sempre melhor. Daí o que acontece? A pessoa, que já estava se sentindo ansiosa por algum motivo, se sente ainda mais ao se deparar com esse pensamento. “Então, esses sentimentos voltam para nos assombrar quando tentamos dormir”, explica Primack.

Ter noites ruins de sono e sempre dar uma stalkeadinha nas redes sociais antes de dormir faz com que entremos em um ciclo nocivo sem fim. Esse combo também pode aumentar os riscos de uma pessoa sofrer de ansiedade, depressão e até vir a desenvolver problemas cardíacos no futuro.

<span class="hidden">–</span>Reprodução

Primack também ressalta que os jovens são os mais afetados com essa realidade, porque (1) têm mais o costume de usar o celular antes de dormir e deixá-lo bem ao lado da cama e (2) já têm biologicamente mais chances de sofrerem com alguma privação de sono.

Por isso, por mais tentador que possa parecer dar aquela última olhadinha nas suas redes antes de dormir, pense duas vezes a partir de agora. Trato?