MOSCOU (Reuters) - Moscou irá limitar o alcance de voos de observação militar dos Estados Unidos sobre a Rússia a partir do dia 1º de janeiro do próximo ano em retaliação a restrições semelhantes impostas contra voos russos sobre os EUA, relatou a agência de notícias RIA, nesta quarta-feira.

Os Estados Unidos têm acusado a Rússia de ignorar o Tratado de Céus Abertos, um acordo que entrou em vigor em 2002 para estimular a confiança entre as Forças Armadas dos dois países, e disse que planeja tomar medidas contra Moscou.

O jornal The Wall Street Journal relatou em setembro que essas medidas incluiriam a restrição de voos militares russos sobre o território norte-americano em resposta ao que disse ser Moscou impedindo voos de observação dos EUA sobre seu altamente militarizado enclave báltico de Kaliningrado.

Segundo relatos, os Estados Unidos pretendia restringir voos russos sobre o Alasca e Havaí, assim como limitar a distância de vôos de observação russos.

Nesta quarta-feira, Georgy Borisenko, uma autoridade graduada do Ministério de Relações Exteriores da Rússia disse que Moscou dará passos recíprocos em resposta às novas medidas dos EUA a partir do dia 1º de janeiro e irá limitar o território sobre o qual aviões de observação norte-americanos podem sobrevoar, de acordo com a RIA.

(Reportagem de Andrew Osborn)