Estou passando por um momento importante na vida de um fotógrafo: escolha de equipamento. O que acontece é o seguinte. Dois anos atrás eu resolvi migrar para Nikon depois de usar Canon por 20 anos. Foi uma decisão prática, pois minha esposa usava Nikon e manter lentes e acessórios para duas marcas pode ser muito caro. Mas, o pior aconteceu e eu não me adaptei a nova marca. Não gostei do ruido nas fotos e a baixa velocidade do foco automático. Antes que perguntem, estava usando as cropadas D7100, D7200 e D7500. Então agora é a hora de fazer o caminho inverso e voltar para a Canon e nesse momento estou na fase de pesquisar câmeras e lentes.

Nessa pesquisa me bateu a mesma velha dúvida de sempre: como analisar a qualidade do equipamento? Existe muita diferença de qualidade entre modelos da mesma marca. Claro que 90% do que encontramos em equipamentos fotográficos é perfumaria que você nunca vai utilizar, mas a percepção da qualidade de imagem é muito importante. Hoje vivemos uma febre pela compra do melhor equipamento, mas dependendo do que você vai fazer com essa imagem, a questão do equipamento que está utilizando não é importante. Você já parou para pensar qual a percepção de qualidade de imagem que as pessoas vão ter de sua fotografia?

Por exemplo, você tem uma câmera 5D Mark IV (R$ 15.000,00) e uma lente 50mm f/1,2 (R$ 6.840,00) e utiliza esse kit para fazer fotografia profissional (todos os valores com base no Mercado Livre). Você está trabalhando com um dos melhores equipamentos que o dinheiro pode comprar e, levando em conta tendências atuais, você entrega suas fotos em formato digital e também em álbuns fotográficos. Trabalhando essa imagem em um monitor profissional no seu software de edição, é possível ver toda a qualidade do equipamento e as vantagens para isso. Mas, a percepção do seu cliente é diferente. Ele vai ver essas fotos em um álbum fotográfico de tamanho normal (um 24x30cm, um 30x30cm ou o 30x42cm) ou na internet. A capacidade de percepção da qualidade das imagens é brutalmente diminuída.  Um equipamento mais modesto poderia, levando em conta a capacidade do observador de apreciar a imagem e a forma de entregar o produto, produzir um resultado muito semelhante.

Três coisas reforçam um pouco essa minha visão.

A primeira aconteceu comigo. Eu sou apaixonado pela lente EF 24-105mm f/4 L da Canon. Nunca tive uma, pois só trabalho com lentes fixas, mas ao retornar agora para a marca eu me animei em comprar uma. Vendo a classificação dela no DxOMark eu até desanimei, pois o serviço não classifica muito bem a lente. Inclusive com uma nitidez muito baixa. Mas, ao procurar por imagens feitas com a lente no flickr encontramos imagens incríveis. Então decidi perguntar em um grupo de fotógrafos sobre a lente e, surpresa, opiniões completamente divergentes. Ou seja, não existe consenso até entre os fotógrafos sobre os resultados da lente. A percepção quanto ao resultado depende muito de como a foto é observada, e nem fotógrafos possuem a mesma opinião. Ainda falando de lentes temos a Sigma 30mm f/1,4 art. É uma lente para câmeras cropadas com péssima classificação no DxOMark e já produzi imagens incríveis com ela. O seja, onde fica a percepção da qualidade?

A segunda coisa é um vídeo que foi postado pelo fotógrafo  Pablo Strong comparando duas câmeras que estão separadas por muitos anos. Ele colocou para brigar a Canon 5D Mark I (lançada em 2005) com a 5D Mark IV (lançada em 2016). E pior, ele colocou na 5D original a lente 50mm f/1,8 e na 5D Mark IV a 50mm f/1,2 L. Só comparando, estamos falando de um kit que vale hoje nos Estados Unidos US$ 400,00 (usado) contra um de US$ 4.400,00. Munidos das duas câmeras o fotógrafo saiu pelas ruas de Londres fazendo retratos com as duas câmeras. Depois de editadas no Lightroom ele postou os retratos lado a lado. Olhando no Youtube quase não existe diferença entre eles. Aposto que mesmo imprimindo essas fotos em tamanho 20x30cm não encontraremos grandes diferenças. Claro que a 5D Mark IV é melhor, mas nessa forma de apresentação não conseguimos perceber isso.

E o terceiro ponto é um vídeo postado pela fotógrafa e food stylist Joanie Simon, do canal The Bite Shot. Ela fez uma comparação entre lentes 50mm para fotografia de alimentos. Ela colocou para brigar a Canon EF 50mm f/1,8 (US$ 125,00) e a Sigma 50mm f/1,4 art (US$ 949,00). Ela colocou as duas lentes para fotografar uma cena de gastronomia com as mesmas condições de luz e regulagens do equipamento. Na observação do vídeo as duas imagens não possuem diferença de qualidade. Provavelmente em uma impressão de tamanho grande poderíamos ver diferenças de nitidez, mas nesse formato em que as imagens foram entregues para avaliação não existe diferença.

Essa é a grande pegada para quem está entrando no mercado agora ou tem a fotografia como hobby. Se você não vai fazer grandes impressões em formato fine art, a qualidade do equipamento passa a ser secundária. Se tudo o que você fizer vai ser entregue via internet, formato digital ou pequenas impressões, qualquer câmera reflex vai resolver o seu problema.  Uma câmera intermediária com uma boa lente fixa ou zoom intermediária vai ser suficiente para entregar um trabalho de ótima qualidade.

Como bônus para esse texto, gostaria de deixar aqui um link do vídeo do Armando Vernaglia analisando as lentes 50mm do mercado e como é superestimado os valores desses equipamentos.

O post Quanto mais melhor na fotografia? Nem sempre apareceu primeiro em Meio Bit.