Exceto pelo espaço onde os turistas estacionam os carros e se aproximam para observar o Stonehenge, o entorno do círculo de pedras é composto de belas áreas verdes que não conheceram a ação do homem (Foto: Reprodução)

 

A pouco mais de dois quilômetros do icônico monumento de Stonehenge, no Reino Unido, fica o menos conhecido sítio arqueológico Blick Mead, dentro de uma área conhecida como 'Acampamento de Vespasiano' com a suposição errônea de que eram os restos de um antigo assentamento romano.

Lá foram encontradas milhares de ferramentas esculpidas em pedra ou feitas de ossos, que datam de até 8 mil anos atrás. O local é importante para tentar entender como viviam as comunidades que construíram o Stonehenge, um mistério até os dias de hoje, além  de contar a história de ocupação local que durou cerca de três mil anos, entre os anos de 7550 a.C. a  4700 a.C.

Leia também:
Arqueólogos encontram câmara fúnebre perto de Stonehenge
Um santuário de 5,6 mil anos foi encontrado perto do Stonehenge

Todo a área, principalmente Stonehenge, é um importante destino turístico e, para facilitar o acesso, uma rodovia de quatro pistas, com direito a um túnel sob as estruturas milenares está sendo construído.

Prova do crime: Estacas de marcação descuidadas causaram a destruição do sítio.  (Foto: Twitter / Amesbury Museum)

 


Não demorou para que arqueólogos e a comunidade local questionasse o projeto, temendo o impacto das obras nos sítios arqueológicos. E parece que eles tinham razão, já que os especialistas já indicam estar havendo impactos significativos.

"É um total vandalismo", disse David Jacques, o principal arqueólogo do local, à NBC News. "Nós cavamos na área desde 2005, cuidadosamente peneirando e trabalhando às vezes com escovas de dente. E para eles terem entrado e feito com uma broca de mão e acabado de quebrar a superfície é realmente perturbador e aterrador."

O pesquisador continua: "O fato de que isso durou 6.000 anos e foi destruído em 25 minutos é um choque total."

A empresa responsável pelas obras, a  Highways England, negou as acusações. "Nenhum dano foi causado a camadas arqueológicas", disse um porta-voz da empresa estatal. "Nossas avaliações até agora indicam que a construção do esquema não terá efeitos significativos na área de Blick Mead, e os trabalhos foram realizados de uma maneira altamente profissional, com um arqueólogo no local e com o devido cuidado sendo exercido em todos os momentos."

O representantes do Museu Amesbury, uma organização que preserva e promove sítios historicamente significativos na área de Blick Mead, discorda. Em postagem no Twitter, chamou a obra de "destruição inacreditável e descuidada".

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app Globo Mais para ler reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, a partir de R$ 4,90, e ter acesso às nossas edições.