A nova comédia romântica adolescente lançada pela Netflix, Sierra Burgess é Uma Loser, está causando grande polêmica por narrar a história de uma garota que faz um catfish para conquistar um cara. Embora o termo não seja tão recente assim, muitas pessoas começaram a debater mais sobre os perigos do catfish após assistir ao longa. Para quem não sabe ou ficou confusa sobre o que significa o termo, a CH explica!

<span class="hidden">–</span>Reprodução

Na tradução literal, “catfish” significa gato-peixe. Contudo, no inglês, a palavra também é uma gíria para pessoas que foram enganadas por outras na internet. Ou seja, fazer um catfish é como se você criasse um perfil com fotos e informações que não são suas e se relacionasse com outra pessoa através desse fingimento. Este tipo de “golpe” ficou ainda mais conhecido mundialmente com um sucesso da MTV dos Estados Unidos, em 2007. No programa Catfish, o público acompanha o drama de pessoas que se apaixonam por perfis falsos na internet e, quando encontram o parceiro pessoalmente, descobrem a verdade. O programa também ganhou uma versão brasileira, na MTV Brasil.

A série surgiu após o caso de Nev Schulman, que sofreu uma decepção amorosa ao encontrar pessoalmente a mulher com quem conversava na web e perceber que ela era uma pessoa totalmente diferente das fotos que ele recebia. A história de Shulman foi registrada em uma filmagem pelo irmão e acabou também virando um filme.

Você provavelmente deve estar pensando que casos assim não são novidade para ninguém, né? Aqui no Brasil, os perfis falsos foram conhecidos popularmente durante muito tempo como fakes. Lembra?

De acordo com Andressa Oliveira, da PMKA Advogados, ainda não existe nenhuma lei que classifique especificamente o “catfish” como crime no Brasil, já que, em regra, não existe intuito criminoso em criar um perfil falso. Além disso, a Lei n. 12.965/14, conhecida como Marco Civil e aprovada em 2014, protege a intimidade e o sigilo de conversas virtuais. Dessa forma, o conteúdo das mensagens trocadas na internet (e a alegação de identidade falsa) só ganha repercussão jurídica se houver denúncia de incitação de violência ou ameaças.

Mesmo assim, vale lembrar que fingir ser outra pessoa na web pode ainda não ser um crime, mas não deixa de ser uma grande mentira e até mesmo uma prova de mal caráter, viu? Segue o recado que a Pitty deixou um tempão atrás: o importante é ser você, mesmo que seja estranho. Seja você! 😉