O CorelDRAW é um dos principais softwares de criação para designers gráficos, artistas, projetistas e similares desde sempre, e por muito tempo, reinou na plataforma Mac, quando a Adobe ainda não era tão forte na área. No entanto, o ano de 2001 foi o último em que os computadores da maçã receberam uma versão do software, o CorelDRAW 11; de lá para cá, o programa se tornou exclusivo do Windows.

Até agora: o CorelDRAW Graphics Suite 2019 marca o retorno da Corel ao macOS, mesmo que hoje ele não seja mais tão unânime entre os usuários. Ao menos, agora há opções.

Corel / CorelDRAW Graphics Suite 2019 For Mac

A Corel desta vez fez o dever de casa, e lançou o CorelDRAW Graphics Suite 2019 tanto para Windows, quanto para macOS e web. O pacote de aplicações gráficas contém o CorelDRAW, seu software de ilustração principal, o Photo-Paint, voltado à edição de imagens, o Font Manager, o gerenciador de fontes, e o AfterShot 3 HDR, processador de imagens em formato RAW, uma ferramenta essencial para fotógrafos profissionais.

Os profissionais criativos que utilizam o Mac como ferramenta de trabalho encontrarão todos os mesmos recursos da versão de Windows, e claro, com suporte às particularidades do macOS e dos produtos da Apple, como total suporte à Touch Bar, com a exibição de comandos dedicados para cada situação. E quem depende de uma instância da Microsoft para abrir arquivos .CDR, de modo a convertê-los para um formato compatível com outros programas semelhantes, como o Affinity Design, não precisará mais fazê-lo.

Um dos destaques da Corel para o novo pacote é um recurso chamado LiveSketch, que utiliza redes neurais para melhorar a experiência dos desenhos vetorais, a fim de deixa-los mais naturais, e oferecer comandos mais precisos.

Corel / CorelDRAW Graphics Suite 2019 For Mac

O retorno do CorelDRAW ao macOS não é um movimento isolado: a Corel está aos poucos se reaproximando da plataforma da Apple, se lembrarmos que em dezembro de 2018 a companhia comprou a Parallels, a empresa responsável por um dos softwares de virtualização para o SO da Apple mais populares, feroz concorrente da VMware e referência quando o assunto é rodar o Windows dentro do macOS (não confundir com o recurso nativo Boot Camp, de instalação paralela).

Com o Parallels e o CorelDRAW, a Corel vai se consolidando mais uma vez como uma empresa relevante para o ecossistema da Apple, embora no segundo caso, a suíte gráfica tenha que reconquistar um público que abandonou 18 anos atrás, e ressoar na cabeça de uma geração que não faz ideia de quem ela é.

Ainda assim, a Corel é a Corel, e não dará colher de chá a ninguém.

O CorelDRAW está disponível na Mac App Store, e embora a instalação seja gratuita, ele exige uma assinatura de R$76,90/mês, ou R$749,90/ano para funcionar; já a suíte CorelDRAW Graphics Suite 2019 pode ser baixada no site oficial, ficando acessível através de uma assinatura de R$ 899/ano, ou por uma compra única, pela bagatela de R$ 2.399.

Ambos softwares podem ser testados gratuitamente por duas semanas.

O post O CorelDRAW está de volta ao macOS, 18 anos depois apareceu primeiro em Meio Bit.