Número de mortos em Brumadinho chega a 166

Segundo balanço da Defesa Civil, 155 pessoas estão desaparecidas.

Desde o início das buscas, após rompimento da barragem, foram localizadas 393 pessoas, das quais 224 da “lista da Vale” e 169 da comunidade.

O número de mortes em decorrência do rompimento da barragem da Mina
Córrego de Feijão, em Brumadinho, chega a 166, segundo dados atualizados
divulgados na tarde de hoje (13) pela Defesa Civil de Minas Gerais. Do
total, 166 corpos foram identificados. Ainda não há informações sobre
seis mortos.

As buscas seguem na cidade desde o rompimento da barragem da
mineradora Vale, no dia 25 de janeiro. Os rejeitos invadiram áreas da
Mina do Córrego do Feijão, onde a estrutura estava, e das proximidades,
deixando um rastro de mortes e destruição.

De acordo com o balanço da Defesa Civil, ainda há 155 desaparecidos.
Destes, 37 são classificados como integrantes da “lista da Vale”, por
serem da equipe da mineradora, e outros 118 são designados como não
localizados da comunidade, grupo que engloba moradores, trabalhadores
que atuavam na área atingida e turistas.

Desde o início das buscas, foram localizadas 393 pessoas, das quais
224 da “lista da Vale” e 169 da comunidade. Não há mais hospitalizados,
conforme o balanço atualizado pela Defesa Civil.

Suspensão

Hoje o Tribunal de Justiça de Minas Gerais suspendeu
os processos de concessão de licenças para a Mina da Casa Branca,
situada na região da Serra do Rola Moça, no limite da capital Belo
Horizonte. A suspensão foi determinada até o fim de perícia judicial.

Crédito

O Banco do Brasil anunciou que produtores de
Brumadinho terão mais prazo para financiamentos adquiridos. O
vencimento das dívidas foi adiado em um ano, considerando prejuízos da
tragédia.