A divulgação de um novo vídeo que mostra a execução sumária de 12 pessoas por supostos soldados do Camarões reavivou neste domingo (12) a polêmica sobre a atuação das Forças Armadas do país, frequentemente acusada de violações dos direitos humanos.

As imagens foram reveladas ontem pela Anistia Internacional (AI) e está circulando nas redes sociais. No vídeo, de dois minutos, 12 homens desarmados são executados em um muro e, segundo a AI, a gravação é “autêntica” e aconteceu em uma cidade do extremo norte do país. Lá, as Forças Armadas estão imersas no combate ao grupo jihadista Boko Haram. Além destas mortes, os soldados teriam queimado casas e outros bens da população. O governo ainda não emitiu nota oficial.

A divulgação do vídeo aconteceu apenas um dia depois de o Executivo de Paul Biya admitir a autenticidade de outra gravação parecida, de julho, que mostrava o assassinato de duas mulheres — supostamente terroristas — com os seus filhos. Nesse caso, o governo informou que prendeu um tenente, um sargento, dois cabos e três soldados.

Incialmente, o Executivo sustentou que o vídeo era manipulado e o qualificou de notícia falsa, mas organizações internacionais, como a AI, defendiam a veracidade. Após pressões nacional e internacional, Biya acabou anunciando uma investigação.