Mulher é agredida em Pernambuco após discussão política

Servidora pública usava adesivo do movimento #Elenão, que faz oposição ao presidenciável Jair Bolsonaro.

A Polícia Civil de Pernambuco está à procura de três homens e uma mulher
acusados de lesão grave e ameaça contra a produtora e servidora pública
Paula Pinheiro Ramos Pessoa Guerra, 37. Ela foi espancada na noite do
domingo (7), em um bar na zona norte do Recife, supostamente por utilizar
adesivos e bottons em apoio ao candidato à Presidência da República nas
eleições 2018 Ciro Gomes (PDT) e ao movimento #EleNão, que faz oposição
ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com a delegada Morgana Alves, que registrou o boletim de
ocorrência nesta quinta-feira (11), Paula estava no bar acompanhado de um
amigo, quando foi questionada pelos homens sobre “o porquê de não votar
em Bolsonaro”. O grupo discutiu, quando uma mulher começou a agredir a
servidora com socos, enquanto os homens impediam que os funcionários do
bar e outros clientes interrompessem a agressão.

A mulher foi salva por um dos garçons que conseguiu esconder Paula na
cozinha do estabelecimento até que o grupo acusado de cometer as
agressões saísse do local. A vítima ficou com hematomas pelo rosto e
teve um dos braços quebrados. Nesta quinta-feira, ela foi submetida a
exames traumatológicos no Instituto de Medicina Legal (IML) do Recife.

“Durante a discussão ela ainda conseguiu filmar os homens, no entanto, a
agressora pegou o celular dela e quebrou. Foi um crime de motivação
política. As investigações vão continuar no intuito de identificar os
acusados e puni-los”, afirmou a delegada.

“Vamos prestar toda a assistência a essa vítima e monitorar esse caso
para que não volte a se repetir com outras mulheres”, disse a secretária
da mulher de Pernambuco, Silvia Cordeiro.