Maiara e Maraisa antes da gravação do novo DVD (Foto: Reprodução)

Sabe o ditado popular: quem pode, pode. Maiara e Maraisa podem e mostraram que podem. Na terça-feira, 09 de outubro, a dupla gravou o novo DVD da carreira e ostentaram muito ao usarem vestidos da grife francesa Balmain. Para se ter uma ideia, a peça usada por Maiara está sendo avaliado em mais de R$ 100 mil.

+Após polêmica, mãe de filho de Alexandre Frota entra com processo na Justiça contra o ex-ator

Após o show, as duas fizeram questão de doar os modelos para a caridade em prol de um leilão beneficente para arrecadar fundos para uma instituição. Em entrevista, a dupla se pronunciou sobre o assunto.

Maiara e Maraísa (Foto: Globo/Nélio Rodrigues)
Maiara e Maraísa
(Foto: Globo/Nélio Rodrigues)

“A gente está sendo tão abençoada, que queria fazer um bem para os outros também. Então esse vestido está sendo doado para ajudar as pessoas que precisam”, disse a cantora. O leilão ocorreu nesta quarta-feira, 10 de outubro, na Noite Solidária dos Amigos da AACD e foi marcada pela presença de muitos famosos.

DUPLA SOFREU PRECONCEITO 

O Altas Horas deste sábado,06 de outubro, contou com a presença ilustre da dupla Maiara e Maraisa. No programa comandado por Serginho Groisman, as duas cantoras falaram sobre o início de carreira difícil quando enfrentavam dificuldades para lotar casas de shows.

+A Fazenda: Durante briga com Nadja Pessoa, Ana Paula chamou a peoa de mentirosa e o clima esquentou

“Uma semana de divulgação, chegávamos para tocar e de repente o gerente da casa dizia que não ia ter show, cancelava na hora porque não tinha ninguém”, disse Maraisa. “A desculpa era sempre a mesma ‘mulher não leva público’, a velha história”, contou Maiara. Serginho Groisman então perguntou como era cantar nessa época.

Maiara e Maraisa durante show em São José do Rio Preto (Foto: Divulgação/Work Show)
Maiara e Maraisa durante show em São José do Rio Preto
(Foto: Divulgação/Work Show)

“A gente tinha que ficar insistindo, pagava para tocar literalmente. Mas era uma coisa tão prazerosa que até hoje [quando] tem shows que estão estourados e tem show que acontece alguma coisa, não tem tanta gente, e os contratantes falam ‘como vocês entram na mesma euforia?’. Porque a gente lembra disso, o quanto a gente lutou para conseguir, tem que respeitar”, disse Maraisa.