Ao longo de oito filmes em todo o Universo Cinematográfico Marvel, os fãs assistiram a Tony Stark fazer atualizações cada vez mais impressionantes em sua armadura do Homem de Ferro, mas nenhum modelo foi páreo para o design da Bleeding Edge aprimorada com nanotecnologia em Vingadores: Guerra Infinita.

A armadura Bleeding Edge incorporou algumas das melhores partes dos conceitos Extremis com o design elegante dos quadrinhos, dando a Stark uma quantidade sem precedentes de poder e habilidades que não tínhamos visto até então.

No recém-lançado livro “A Arte de Vingadores: Guerra Infinita”, a vice-presidente de produção da Marvel Studios, Victoria Alonso, explicou por que esse filme era o momento certo para trazer essa nova armadura.

“A Bleeding Edge foi algo sobre o qual debatemos por um longo tempo. Queríamos ter algo que fosse mais rígido para o corpo, que ele pudesse comandar em movimento, que não exigisse que ele se encaixasse em outro lugar. Ele poderia fazer isso de maneira fácil, e criando diferentes armas que se adequasse para que ele pudesse se defender – porque não se esqueça, ele nunca teve que enfrentar alguém como Thanos.”

A culminação de 22 filmes interconectados, a quarta produção da saga Vingadores convidará o público para testemunhar o ponto de virada desta jornada épica. Nossos amados heróis entenderão verdadeiramente o quão frágil é essa realidade e o sacrifício que precisa ser feito para sustentá-la.

Vingadores 4 será a conclusão dos 10 anos de narrativa do Universo Cinematográfico Marvel, dando continuidade aos eventos vistos em “Guerra Infinita”. O filme conta novamente com direção dos irmãos Anthony e Joe Russo, e chega aos cinemas em maio de 2019.

O post Livro fala sobre a importância da nova armadura do Homem de Ferro em Guerra Infinita apareceu primeiro em O Vício.