Em um futuro relativamente próximo, lives poderão ser comuns no LinkedIn: a rede social começa a testar, nesta semana, a sua própria ferramenta de transmissão de vídeos ao vivo. A ideia é a de que o LinkedIn Live, como a novidade foi batizada, seja usado para cobertura de eventos, anúncios de produtos ou serviços, pronunciamentos corporativos e assim por diante.

LinkedIn

YouTube e Facebook estão entre os serviços mais usados atualmente para videoconferências. Muitas dessas transmissões têm temáticas profissionais ou corporativas, justamente as áreas que mais interessam ao LinkedIn. Por conta disso, a companhia decidiu explorar esse tipo de conteúdo. Antes tarde do que mais tarde.

Pelo menos inicialmente, o LinkedIn Live não vai estar disponível para todo e qualquer usuário da rede social. Por ora, apenas convidados terão acesso à ferramenta, começando por usuários dos Estados Unidos. Em breve, um formulário será disponibilizado para que interessados possam solicitar um convite.

Não está claro se o LinkedIn permitirá que todos os seus 600 milhões de usuários façam transmissões ao vivo ou se restringirá o recurso a participantes que atendem a determinados critérios, mas há boas chances de que a ferramenta seja liberada de modo amplo, por duas razões principais.

A primeira é que o LinkedIn conseguiu promover bastante engajamento depois que passou a permitir que os usuários publiquem artigos na plataforma. Ampliar os formatos de conteúdo disponíveis deve trazer ainda mais resultados, portanto.

LinkedIn Live

Além disso, o LinkedIn permite há algum tempo a publicação de vídeos (gravados). De acordo com a empresa, esse é o formato que mais cresce na plataforma, tanto em audiência quanto em receita com anúncios, embora o LinkedIn não revele números.

As possibilidades são variadas. Vídeos em tempo real na plataforma poderiam ser usados até para finalidades mais específicas, como treinamentos online, palestras ao vivo ou entrevistas de emprego. Não por acaso, lives têm sido o recurso mais solicitado pelos usuários ao LinkedIn, de acordo com Pete Davies, diretor de produtos da companhia.

Mas tudo ainda está no começo. No momento, sabe-se apenas que o LinkedIn está trabalhando com desenvolvedores de plataformas de streaming em tempo real como Wirecast e Switcher Studio para dar forma à ferramenta. Dona da rede social desde 2016, a Microsoft também está ajudando a estruturar a plataforma do LinkedIn Live.

Com informações: TechCrunch.

LinkedIn vai permitir transmissões de vídeo ao vivo