Juiz autoriza exame de sanidade mental em homem que esfaqueou Bolsonaro

Adélio Bispo foi preso logo após ataque e segue sob custódia na Penitenciária Federal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Adélio Bispo tentou matar o candidato à Presidência, Jair Bolsonaro, durante ato de campanha ocorrido em Juiz de Fora, Minas Gerais.

SELO-ELEIÇÕES-2018-100O juiz Bruno Savino, da 3ª Vara Federal de Juiz de Fora, ordenou a
realização de nova avaliação psiquiátrica em Adélio Bispo de Oliveira,
denunciado por ter dado uma facada no candidato do PSL à Presidência da
República, Jair Bolsonaro, durante ato de campanha no dia 6 de setembro.

De início, o pedido para que fosse aberto o chamado “incidente de
insanidade” havia sido negado pelo juiz, que reviu a decisão após a
defesa ter feito novo pedido, desta vez acompanhado de um laudo psiquiátrico particular que atestou transtorno grave.

Segundo a Justiça Federal de Minas Gerais, o laudo é compatível com
as avaliações feitas por profissionais de psicologia e psiquiatria da
Penitenciária Federal de Campo Grande, onde Adélio Bispo encontra-se
custodiado. Baseado nisso, o juiz Bruno Savino deferiu a abertura do
incidente, processo no qual será julgado se o agressor tem, ou não,
sanidade mental.

Com o reconhecimento da insanidade, a defesa almeja que sejam
afastadas as acusações do Ministério Público Federal (MPF) que enquadram
Adélio Bispo na Lei de Segurança Nacional. Caso isso ocorra, uma
eventual pena se tornaria mais branda e seria cumprida em um manicômio
judicial, em vez de em uma penitenciária.

Em depoimento na Polícia Federal, Adélio Bispo confessou o crime.