Getty Images
Tabloide ameaçou Bezos antes de publicar mensagens trocadas com amante

Em carta aberta publicada na tarde desta quinta-feira no site Medium, Jeff Bezos acusa a American Media, empresa-mãe do tabloide National Enquirer, de chantagem e extorsão. A acusação acontece semanas depois de o tabloide trazer a público mensagens de texto trocadas entre Bezos e Lauren Sanchez, pivô do divórcio do empresário e de MacKenzie Bezos.

LEIA MAIS: MacKenzie Bezos pode se tornar a mulher mais rica do mundo

No texto, o fundador e CEO da gigante Amazon e homem mais rico do mundo conta que empreendeu ele mesmo uma investigação contra o National Enquirer para descobrir como o tabloide teve acesso às suas mensagens pessoais. Em reação à apuração empreendida por Bezos, o diretor de conteúdo da American Media Inc. (AMI) entrou em contato com os advogados do empresário e ameaçou publicar fotos íntimas de Bezos e de Sanchez.

No texto publicado no Medium, Bezos cita dois e-mails enviados por executivos do National Enquirer, entre eles David Pecker, o diretor do tabloide. Os e-mails teriam sido enviados há pouco: a partir de 5 de fevereiro, a última terça-feira. Em um deles, Pecker faz a ameaça de trazer as fotos à tona. Em outro, há uma lista de “termos propostos” para um acordo com o dono da Amazon. Um dos termos incluiria um “reconhecimento publico”, por parte de Bezos, de que não dispõe de elementos para sustentar que a cobertura da AMI seria “politicamente motivada ou influenciada por forças políticas”. A AMI tem sido apontada como uma das aliadas do atual presidente norte-americano, Donald Trump.

Em vez de sucumbir ao que classifica como tentativa de chantagem, Jeff Bezos escolheu expor as mensagens recebidas do tabloide, incluindo com os endereços de e-mail e números de telefone dos representantes da AMI.

“É claro que não desejo ter fotos pessoais publicadas, mas também não vou participar dessa conhecida prática de chantagem, troca de favores políticos, ataques e corrupção da AMI. Eu prefiro ficar de pé e ver os que rastejam”, escreveu Bezos. Procurada, a AMI não respondeu à reportagem da FORBES.

Além de David Pecker, um dos e-mails enviados para a equipe jurídica de Bezos foi disparado por Jon Fine, vice-conselheiro geral da AMI que está na empresa há apenas quatro meses e que, segundo seu perfil no LinkedIn, trabalhou na Amazon por nove anos em diversos cargos, de novembro de 2008 a janeiro de 2015, incluindo o de conselheiro geral associado e, mais recentemente, como diretor da equipe de relações com autores e editoras.

 

Opinião de especialista

Elena Fast, advogada de defesa criminal do escritório de advocacia Blanch, com sede em Nova York, não acredita que os dois e-mails sejam legalmente qualificados como chantagem ou extorsão. “Foram escritos de modo muito inteligente, muito esperto”, diz Fast. “Normalmente, aqueles que buscam extorquir outros são indivíduos com algum tipo de informação embaraçosa na manga. Não há uma ameaça explícita. Há certamente… a implicação disso, mas nada explícito o suficiente para falarmos em delito criminal, na minha opinião.”

As ações da Amazon fecharam ontem (7) a US$ 1.614,37, queda de 1,6%. De acordo com a Forbes Real-Time Rankings, Bezos encerrou o dia US$ 2 bilhões mais pobres. No entanto, ele ainda é o homem mais rico do mundo, com um patrimônio líquido que a FORBES fixa em US$ 133,5 bilhões.

O post Jeff Bezos acusa tabloide ‘National Enquirer’ de chantagem apareceu primeiro em Forbes Brasil.