Farmacêutica não quer fornecer ingrediente de injeção letal

Farmacêutica não quer fornecer ingrediente de injeção letal
Robert Cianflone/Getty Images/21.2.2013

O estado de Nebraska, nos Estados Unidos, se prepara para realizar, na próxima terça-feira (14), sua primeira execução em 21 anos, mas a empresa farmacêutica alemã Fresenius Kabi, fabricante dos componentes utilizados na injeção letal, está tentando evitar que isto aconteça.

Na sexta-feira (10), um juiz federal em Omaha rejeitou o pedido da empresa alemã, que já anunciou que apresentará um recurso à próxima instância superior, o Tribunal de Apelações do Décimo Circuito dos Estados Unidos.

O juiz Richard Kopf disse que “não permitirá” que a Fresenius Kabi “frustre o desejo” do réu, Carey Dean Moore, que declarou querer ser executado.

Segundo a Fresenius Kabi, o estado de Nebraska obteve pelo menos uma das drogas da sua injeção letal, o cloreto de potássio, sem o seu consentimento.

O cloreto de potássio é o último ingrediente de uma combinação de quatro drogas que o estado de Nebraska pretende administrar a Moore e serve para parar o coração.

A farmacêutica alemã alega que vendeu a droga por engano e que o Estado se recusou a devolvê-la.

Pressão de ativistas contra pena de morte

As empresas farmacêuticas europeias e americanas se recusaram durante a última década a vender seus produtos para execuções por conta da pressão dos ativistas contrários à pena de morte e a má reputação que ela traz.

David Moore, gêmeo do preso, disse ao jornal local Omaha World-Herald que seu irmão está satisfeito com a decisão de Kopf.

“Estou muito aliviado, quero o que Dean quer”, acrescentou.

Moore, de 60 anos, foi condenado a morte por assassinar dois taxistas em Omaha, durante o verão de 1979.

Reuel Van Ness e Maynard Helgeland foram mortos a tiros em um intervalo de cinco dias por Moore para roubá-los.

Injeção substituiu cadeira elétrica

A execução de Moore será a primeira com injeção letal da história de Nebraska, já que nas anteriores, ainda foram utilizadas a cadeira elétrica, método declarado inconstitucional no estado em 2008.

Além disso, também será a primeira execução depois que 61% dos eleitores apoiaram em referendo, no ano de 2016, a restituição da pena de morte, anulando assim a abolição que um ano antes havia passado pelo Legislativo estadual.

Depois de quase 40 anos preso, Moore é o réu que está há mais tempo no corredor da morte de Nebraska, de um total de 12.

Sua execução está prevista para a próxima terça-feira, às 10h (hora local) na Penitenciária Estadual de Nebraska, no município de Lincoln.