Pertences das vítimas do voo JT 610 que caiu no mar de Java

Pertences das vítimas do voo JT 610 que caiu no mar de Java
EFE

A Indonésia encontrou nesta segunda-feira (14) a caixa-preta que gravou a conversa entre os pilotos do avião da Lion Air acidentado em outubro do ano passado no mar de Java com 189 ocupantes, segundo informaram autoridades locais.

Leia mais: Equipamento ‘oculto’ em avião pode ter causado acidente na Indonésia

O diretor de Dados e Informação do Comitê Nacional para a Segurança no Transporte, Anggo Anurogo, disse neste momento está sendo preparado um relatório sobre a descoberta feita esta manhã, hora local, e que poderia esclarecer os detalhes dos últimos minutos do voo.

O dispositivo foi achado a 38 metros de profundidade e enterrado oito metros sob o barro do solo marinho, segundo detalhou o porta-voz da Marinha, Agung Nugroho, ao jornal local Kumparan.

As condições das águas próximas ao cabo Karawang, onde caiu a aeronave, dificultaram a busca da segunda das caixas-pretas, devido aos encanamentos de gás e petróleo que impedem os navios de ancorar, além das fortes correntes e do solo lamacento.

O dispositivo achado é um dos dois que formam a caixa-preta junto ao que grava os dados de voo que as autoridades recuperam três dias depois do acidente e que permitiu à Comitê Nacional elaborar em novembro um relatório preliminar sobre as causas do acidente.

O documento se centra no manual operacional do modelo acidentado, um Boeing 737 Max 8, na regulação de sensores defeituosos nos quatro últimos voos e na atuação dos pilotos, mas não determina a culpabilidade de nenhum dos envolvidos.

A aeronave com número de voo JT 610 caiu no mar em grande velocidade no último dia 29 de outubro, poucos minutos após decolar do aeroporto de Jacarta depois que os pilotos tiveram dificuldades para controlar os comandos do avião.

O relatório preliminar do Comitê Nacional indica que os pilotos tentaram compensar um novo sistema automático deste modelo que inclina para baixo o bico do avião para evitar que “caia em perda”, ou seja, que não tenha velocidade suficiente para manter-se no ar.

A caixa-preta achada hoje pode esclarecer o grau de responsabilidade dos pilotos ao tentar resolver os problemas durante o voo e se conheciam o novo sistema automático do modelo da Boeing.