Grande Nuvem de Magalhães (Foto: ESO, A McLeod et al)

 

Pela primeira vez, cientistas obtiveram uma imagem inédita de um “jato estelar” fora da Via Láctea. A foto tirada pelo Very Large Telescope (VLT), do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), mostra um jato fino e que se estende por quase 33 anos-luz. A novidade foi publicada na revista científica Nature

Esse tipo de fenômeno geralmente acontece com estrelas pequenas e jovens, mas nunca havia sido observado fora da nossa galáxia. O registro dos cientistas revela um jato na Grande Nuvem de Magalhães, uma região rica em hidrogênio e conhecida por ser um “berçário” estelar. Graças a essas estrelas recém-formadas, o gás hidrogênio é ionizado e passa a esculpir as bolhas gigantes observadas na imagem.

Leia também:
+ Astrônomos brasileiros descobrem três aglomerados estelares
+ Primeira nave particular deve ir à Lua ainda em 2019

A partir do clique feito pelo telescópio, os astrônomos do ESO conseguiram concluir que o jato HH 1177 — como foi nomeado — foi produzido por uma “estrela bebê” com massa 12 vezes maior que o nosso Sol. O HH 1177 também entrou para a lista de um dos jatos mais longos já observados.

Agora, os pesquisadores esperam que a foto possa ajudar a esclarecer a forma como novas estrelas são formadas. Como o HH 1177 não se dispersa enquanto viaja, imagina-se que ele possa ser uma versão ampliada do que acontece com estrelas menores. A hipótese é de que a formação de astros massivos e estrelas jovens seja bastante parecida.

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app Globo Mais para ler reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, a partir de R$ 4,90, e ter acesso às nossas edições.