Haddad não poderá usar arrecadação de ‘vaquinha’ a Lula

Segundo TSE, se PT lançar ex-prefeito ao Planalto terá de devolver valores obtidos por meio de doações ao ex-presidente preso.

Fernando Haddad não poderá utilizar mais de R$ 500 mil arrecadados para campanha de Lula à Presidência.

A arrecadação virtual para a campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições 2018 superou os R$ 500 mil, mas o dinheiro não poderá ser usado por Fernando Haddad, candidato a vice, caso o ex-prefeito venha a ser alçado à cabeça da chapa.

Condenado na Lava Jato a 12 anos e 1 mês por corrupção e lavagem de dinheiro, Lula está preso desde abril em Curitiba. Mesmo assim, o PT pretende registrar sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até quarta-feira (15), último dia do prazo, com Haddad de vice. Como o petista deve ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa, o ex-prefeito pode assumir a chapa.

Segundo o TSE, as “vaquinhas virtuais” só poderão ser usadas pelo próprio candidato. Se o PT registrar outra candidatura que não a de Lula até quarta, terá de devolver o dinheiro aos doadores, como rege resolução da Corte. É o que ocorreria também com a vaquinha virtual feita por Manuela d’Ávila (PCdoB), considerada “plano B” para ser vice na chapa petista.

Já se a candidatura de Lula for registrada e barrada posteriormente, o dinheiro que não for gasto até a data da decisão pelo indeferimento será remetido ao partido ao fim da campanha. “Se a campanha for encerrada e houver sobras, elas têm de ser destinadas ao partido político”, afirmou o ex-ministro do TSE Henrique Neves.

Procurado, o PT disse que trabalha de acordo com a lei e não comenta hipóteses.