Guedes: "Somos uma equipe muito, muito sintonizada"

Guedes: “Somos uma equipe muito, muito sintonizada”
Ueslei Marcelino/Reuters – 01.01.2018

O ministro da Economia, Paulo Guedes, negou nesta segunda-feira (7), durante cerimônia de transmissão de cargo para o novo presidente do BB (Banco do Brasil), Rubem Novaes, que haja uma disputa entre a área econômica e a área política do governo de Jair Bolsonaro.

“Todo mundo acha que tem uma discussão entre nós uma briga. Nós somos uma equipe muito, muito sintonizada”, afirmou, após citar o nome do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

‘Perderam-se os bancos públicos’ nos governos passados, diz Guedes

Na semana passada, a primeira de Jair Bolsonaro na Presidência, houve desencontros sobre as principais medidas do governo. Uma declaração do presidente sobre idades mínimas para a Previdência provocou dúvidas que ninguém conseguiu explicar.

Além disso, Bolsonaro anunciou mudanças nas alíquotas do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e do IR (Imposto de Renda), que também provocaram ruídos e depois tiveram de ser negadas por sua equipe.

Bolsonaro disse que tinha assinado decreto aumentando o IOF para operações externas, sem dar detalhes. A elevação seria necessária para cobrir o rombo deixado pelo projeto que prorroga benefícios fiscais a empresas do Norte e Nordeste, sancionado pelo presidente.

Na tarde de sexta-feira (4), após se reunir com o presidente, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, disse que ele tinha se “equivocado” e que não haveria necessidade de aumentar IOF. Além disso, a mudança na tabela do IR, também anunciada pelo presidente, só seria feita em momento “oportuno”.

Bolsonaro cobra transparência em atos passados de bancos públicos

Sem dar nenhuma declaração à imprensa, o ministro da Economia, Paulo Guedes, cancelou o único compromisso público na sexta-feira em que havia expectativa de que ele pudesse dar explicações e detalhes das informações sobre IOF, IR e, sobretudo, a proposta de reforma da Previdência.

Sem Guedes, coube ao ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, convocar uma entrevista coletiva, no fim do dia, para tentar acertar a comunicação. “Estava toda uma celeuma no Brasil de que haveria aumento de imposto. Não tem aumento de impostos”, afirmou Onyx na ocasião.