Camada laranja sobre a Terra é um processo comum originado pela luz do Sol (Foto: NASA)

 

Uma bela imagem foi captada em 7 de outubro, a bordo da Estação Espacial Internacional (EEI), mostrando a Terra com um brilho em tom laranja. De acordo com a NASA, o fenômeno ocorrido é o da luminescência atmosférica, quando uma camada de luz noturna é produzida por meio de reações químicas de alta altitude. Essa efeito se estende entre 80 e 640 quilômetros da atmosfera terrestre. 

A iluminação colorida acontece em todo o mundo a qualquer momento do dia solar, embora a poluição luminosa e os céus nublados normalmente escondem essas partículas brilhantes da visão humana. O fenônemo possui três tipos: durante o dia chama-se “dayglow”, no crepúsculo é chamado de "twilight glow" (brilho crepuscular) e, à noite, é chamado de "nightglow". Cada um tem um processo de formação diferente, mas o resultado é o mesmo.

O dayglow acontece quando moléculas na atmosfera absorvem a luz solar, dando-lhes  "energia extra" que, quando liberada, assume a forma de luz. O brilho crepuscular é aproximadamente o mesmo processo, mas ocorre apenas na atmosfera superior, pois ainda está recebendo a luz do Sol. 

Já o nightglow usa um processo chamado luminescência química e produz luz de maneira similar a um bastão luminoso ou a uma massa que brilha no escuro. Como não há luz solar na atmosfera noturna, esse processo é diferente do brilho diurno ou crepuscular.

Leia também: 
+ Chineses criam projeto de casa para ser habitada em Marte
+ Tempestades solares teriam detonado minas marítimas dos EUA

“O fenômeno geralmente ocorre quando as moléculas, principalmente nitrogênio e oxigênio, são energizadas pela radiação ultravioleta (UV) da luz solar. Para liberar essa energia, os átomos da atmosfera mais baixa esbarram uns nos outros e perdem energia na colisão”, escreveu a NASA em um comunicado.

Durante o dia, a luz do Sol deposita energia na atmosfera que, segundo o site The Conversation,  faz com que as moléculas de oxigênio se separem em átomos individuais por várias horas. Eventualmente, o oxigênio atômico volta a formar oxigênio molecular, que depois é liberado na forma de luz.

O nightglow pode assumir várias cores, como o verde. Contudo, não deve ser confundido com uma aurora boreal, criada a partir da colisão de partículas carregadas de explosões solares que penetram através do escudo magnético da Terra com átomos e moléculas na atmosfera, produzindo explosões de luz (fótons).

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app Globo Mais para ler reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, a partir de R$ 4,90, e ter acesso às nossas edições.