Todo ano é a mesma coisa: chega dezembro e as discussões sobre fogos de artifício em festas de Réveillon se tornam mais acaloradas. Tem aquelas pessoas que amam ouvir os barulhos dos estampidos, porque eles já se tornaram uma espécie de tradição, e tem as que não gostam, por alegar que os contras do sons são maiores que os prós.

<span class="hidden">–</span>Reprodução

Manusear fogos de artifício não é algo 100% seguro. De acordo com o Ministério da Saúde, nos últimos 20 anos, cerca de 190 pessoas morreram vítimas de explosivos. O barulho provocado por eles também preocupa. Além de afetarem a audição de bebês e idosos, os fogos também machucam o ouvidos de pets, como cachorros. Por terem uma capacidade auditiva 5x maior que a dos humanos, os cães, quando expostos aos fogos, têm o tímpano machucado e podem até ficar surdos. Sem contar o estresse, né?

Algumas cidades de São Paulo já baniram o uso de fogos de artifícios barulhentos em festas de Ano Novo, mas essa será a primeira vez que o show a Virada na Avenida Paulista terá fogos silenciosos. A mudança é por conta da lei sancionada em maio pelo então prefeito Bruno Covas. Ela também proíbe a fabricação de qualquer item pirotécnico ruidoso. A multa pelo descumprimento da Lei é de R$ 2 mil. Florianópolis, capital de Santa Catarina, também será uma das pioneiras no Brasil a adotar os explosivos silenciosos.

O modelo pirotécnico menos barulhento já está sendo usado em alguns lugares da Europa, como na província de Parma, na Itália. Em janeiro, a festa de final de ano com fogos silenciosos que rolou em Ponta Grossa, no Paraná, também animou os moradores da região e os turistas. O Réveillon de Florianópolis também terá um show de luzes e de águas dançantes para complementar o espetáculo.