Esculturas Moais da Ilha de Páscoa podem ter sido construídas em colaboração (Foto: Easter Island Ahu/Wikimedia Commons)

 

A civilização perdida da Ilha de Páscoa pode ter escolhido a localização das suas misteriosas cabeças Moais para sinalizar um local com água fresca, segundo um estudo.

O antropólogo Carl Lipo passou 20 anos estudando o povo Rapa Nui e seu desaparecimento da Ilha de Páscoa, e estava buscando por uma resposta para entender como o povo obtinha água fresca em um espaço tão limitado.

Para descobrir isso, realizou estudos com outros colegas para estimar que o povo bebia água salobra (que tem mais sal do que água fresca, mas menos do que água do mar) – só não sabia-se como eles bebiam esta água.

A pesquisa de Lipo, publicada no periódico Hydrogeology Journal, descobriu que os moradores da ilha podem ter sobrevivido ao beberem água salobre que surgia em trincheiras naturais pela costa, ou que flutuava nas águas costais da ilha.

Mais intrigante ainda é a localização das fontes de água e a posição das estátuas da ilha: os Moais parecem ter sido colocados em locais onde água fresca estava disponível.

As estátuas, que tem até 9,1 metros de altura, foram feitas de tufo vulcânico – e existem até 900 delas, construídas entre 1200 e 1600.

O motivo pelo qual os Rapa Nui construíram as estátuas, porém, não é totalmente compreendido. Acreditava-se que eram símbolos de poder político e religioso, representando os ancestrais dos polinésios. A maioria das estátuas está a costa leste da ilha – e Lipo acredita que isto pode acontecer por motivos práticos.

Leia também: 
+ Vítimas do Vesúvio podem ter tido sangue evaporado e crânio explodido

+ Cientistas acham ossos de criança neandertal comida por pássaro gigante

“Agora que sabemos mais sobre a localização de água fresca, a posição destes monumentos fazem muito sentido: estão posicionados onde água fresca está disponível”, afirmou em um comunicado. 

O time agora irá tentar entender melhor a correlação entre as estátuas e a abundância de água fresca nos locais próximos – o que poderia render resposta a um dos maiores mistérios arqueológicos da sociedade moderna.

“Quanto mais observamos, mais consistente é este padrão. Lugares sem Ahus ou Moais não têm água fresca. O padrão foi surpreendente pela sua consistência. Até quando encontramos Moais no interior da ilha, achamos lugares próximos com água fresca.