O casal Mariya e Aleksandr Dmitriev dividem um apartamento de um quarto com Messi. Não, não se trata do jogador de futebol argentino. Mas de um puma de cerca de 40 kg. O felino foi adotado pelo casal depois que eles o viram no zoológico de Saransk, em Penza, na Rússia.

Seus irmãos também ganharam nomes de jogadores de futebol. Um foi chamado de Suarez e o outro de Neymar. Sim, em homenagem ao jogador brasileiro e uma forma de também celebrar a cidade de Penza, que sediou quatro partidas da Copa da Mundo de 2018.

O resgate de Messi

O puma foi vendido ao Zoológico de Saransk quando ainda tinha apenas 3 meses de vida. Porém, Messi sofria de problemas de saúde. Pensando no bem estar do animal, o casal então sugeriu ao zoológico que vendesse o animal para eles, pois assim o puma poderia receber os cuidados que garantissem sua sobrevivência.

Segundo Mariya, de 28 anos, seu marido, Aleksandr, de 38 anos, sempre quis ter um grande felino em casa. “Ele sempre pensou em ter um lince – nunca um puma. É difícil explicar, mas acreditamos que ter esse puma faz parte do nosso destino”.

“Tivemos três dias para refletir se era moral termos um puma e se era ‘normal’  ter um bicho assim. Mas nada poderia lutar contra o nosso desejo repentino. Então fomos ao zoológico e iniciamos as negociações para comprar o Messi. Ficamos surpresos quando eles concordaram”, contou Mariya em entrevista ao The Mirror.

Mas ter um animal em casa como Messi não é algo muito simples e alguns cuidados específicos tiveram que ser tomados. Além de que, ele apresentava alguns problemas envolvendo sua saúde. Por mais que o casal tenha o alimentado conforme orientação veterinária, Messi tem apenas dois terços do tamanho de um puma médio.

O cotidiano

Da mesma forma que outros animais de estimação, Messi também precisa se exercitar e por isso, seus “pais” compraram uma coleira especial para que pudessem passear com ele. “Ele é como um cachorro. Nós começamos a levá-lo para uma caminhada, passo a passo. Ele não era muito ativo antes. Agora nós caminhamos muito, duas vezes por dia, como deveria ser. Messi não difere muito de possuir um cachorro, nesse sentido”, contou Aleksandr.

Eles procuraram a ajuda de um domador de animais para ensinar algumas coisas para Messi, mas sem muito sucesso. Então, eles optaram por treinar o animal com um treinador de cães e desde então, o puma já atende cerca de 10 comandos diferentes.

“Ele nos convenceu com seu comportamento de que ele é um membro pleno da nossa família e que ele não faria nada de mal, além de algumas pequenas coisas ruins. Ele é muito gentil e gosta de contato. Ele se dá muito bem com as pessoas”, afirmou Aleksandr.

A vida de Messi e dos seus pais é acompanhada por milhares de pessoas no Instagram. O perfil de Messi na rede social conta com 577 mil seguidores. O canal do puma no YouTube possui mais de 175 mil inscritos. Apesar do casal viver em um apartamento de um quarto, tudo foi adaptado para acomodar Messi e lhe garantir uma vida confortável. “Ele é apenas um gato comum, mas grande. Ele tem todos os hábitos de um gato”, disse Aleksandr.

Muitas pessoas se opõem ao casal viver com um animal de natureza selvagem em sua casa. Entre eles, ativistas de direitos animais que acreditam que Messi deveria estar em uma reserva ou santuário animal. Entretanto, para os Dmitrievs, o puma não conseguira sobreviver, uma vez que ele nunca viveu sozinho na natureza. “É claro que é muito perigoso ter um gato tão grande em casa, mas Messi é um animal especial”, disse Mariya.

Então pessoal, o que acharam da matéria? Deixem nos comentários a sua opinião e não esqueçam de compartilhar com os amigos.

Essa matéria Esse puma, que não pode voltar para natureza, vive como um grande gato doméstico foi criada pelo site Fatos Desconhecidos. E somente copiada por esse portal.