Evo Morales com a faixa e a medalha presidenciais

Evo Morales com a faixa e a medalha presidenciais
EFE / Arquivo

Uma medalha de ouro e diamantes e a faixa presidencial, dois dos principais símbolos nacionais da Bolívia, foram roubados e recuperados durante esta semana, em uma saga digna de um livro de realismo fantástico.

O tenente do Exército Roberto Juan de Díos, que era responsável por transportar os objetos presidenciais até Cochabamba, onde os entregaria ao presidente Evo Morales, foi desligado das forças armadas na sexta-feira (10) por conta do incidente.

Ele foi preso por negligência quando informou as autoridades sobre o roubo, foi encaminhado a uma prisão e responderá por três crimes. Evo Morales pediu “punições exemplares” aos envolvidos.

O que aconteceu

O tenente estacionou o carro na terça-feira à noite em uma zona de prostíbulos perto do aeroporto de El Alto, vizinha à capital La Paz, com a medalha e a faixa dentro. O veículo foi arrombado e a mochila onde estavam os objetos presidenciais sumiu, enquanto o militar ia a vários dos bordéis.

No dia seguinte, a mochila com a medalha e a faixa foi localizada em uma igreja no centro de La Paz, após uma denúncia anônima. Evo deveria usar os objetos na quarta (8), quando foi comemorado o Dia das Forças Armadas no país.

A medalha tem valor histórico 'incalculável'

A medalha tem valor histórico ‘incalculável’
EFE/ Martin Alipaz / Arquivo

A polícia boliviana prendeu um peruano, suspeito de participação no crime. Três outros suspeitos estão sendo procurados. Além do tenente, o Exército boliviano também destituiu o general Alberto Mansilla, até então chefe da Casa Militar, unidade das Forças Armadas que funciona dentro 

Valor inestimável

Segundo a Sociedade de Pesquisa Histórica de Potosí (Bolívia), a medalha foi dada ao libertador Simón Bolívar em 1825, por ocasião da independência da Bolívia, e “tem um valor monetário incalculável”, tanto pela quantidade de ouro e diamantes como por sua importância histórica.

Acompanhe o noticiário internacional no R7

A medalha foi devolvida ao governo boliviano em 1830, após a morte de Bolívar.