Homem fotografa a chuva que antecede a chegada do tufão em Hong Kong

Homem fotografa a chuva que antecede a chegada do tufão em Hong Kong
Bobby Yip / Reuters / 15.9.2018

Depois de matar 16 pessoas e deixar dezenas de milhares sem ter para onde ir nas Filipinas, o tufão Mangkhut dirige-se para Hong Kong e a região sul da China, ameaçando outros milhões de pessoas.

O GDACS (Sistema Global de Coordenação e Alerta de Desastres, na sigla em inglês) estima que mais de 24 milhões de pessoas devem ser afetadas pelos ventos e, especialmente, pelas chuvas e inundações provocadas pelo tufão. O Mangkhut é considerado o pior tufão da temporada na Ásia.

O Observatório Nacional de Hong Kong prevê que o tufão deve tocar o solo no Delta do Rio das Pérolas por volta do meio-dia do domingo (16) no horário local (23h de sábado no Brasil). Na segunda-feira, o Mangkhut chega à China continental.

A aproximação do tufão de Macau e Hong Kong já provocou um aumento da velocidade dos ventos na região. Estima-se que, em seu auge, o Mangkhut possa provocar rajadas de vento de até 180 km/h.

A intensidade do Mangkhut diminuiu depois de passar pelas Filipinas, mas os meteorologistas afirmam que ele está ganhando força novamente ao passar pelo Mar da China. Os tufões e furacões tendem a ganhar força enquanto viajam sobre as águas dos oceanos e perdem intensidade ao tocar o solo.

Preparação em Macau e Hong Kong

Em Macau, o governo ordenou a evacuação das áreas mais baixas da cidade. Autoridades portuárias também mantém comportas de controle de entrada de água abertas, para tentar diminuir o impacto das inundações que serão provocadas pelo tufão.

Em Hong Kong, a preocupação de momento é com a disseminação de informações equivocadas sobre a chegada do Manghut. De acordo com o jornal local The Standard, o Observatório Nacional alertou para a circulação de um suposto relatório com horários em que cada região seria atingida pelos ventos e chuvas.

No ano passado, um casal de irmão idosos foram presos em Macau por espalharem rumores sobre as autoridades mentirem sobre cinco mortes provocadas pelo tufão hato. Ao todo, 12 pessoas morreram quando a tempestade atingiu a cidade em 2017.

Já na China continental, as três províncias do sul de Guangdong, Guangxi e Hainan estão coordenando os preparativos, incluindo a suspensão do transporte e o deslocamento de pessoas para abrigos no interior, informou a agência meteorológica nacional.

A região conta com várias cidades de grande porte. Mais de 100 milhões de pessoas vivem no sul da China. 

250 mil afetados nas Filipinas

Nas Filipinas, as rajadas de vento chegaram a 220 km/h. De acordo com as autoridades filipinas, quase 250 mil pessoas foram afetadas pela passagem do Mangkhut pelo país. 

O jornal filipino PhilStar Global registra que pelo menos 105 mil pessoas estão em abrigos, após a evacuação das áreas litorâneas. Apesar de o perigo maior haver passado, o país segue em alerta, especialmente para inundações e deslizamentos.

Ainda de acordo com o PhilStar Global, o levantamento de danos está sendo feito com cautela pelas autoridades, por conta dos riscos ainda presentes. Entre os mortos durante a passagem do tufão, estão duas pessoas que trabalhavam no resgate de pessoas em um deslizamento na localidade de Cordillera.

A capital da província de Cagayan, Tuguegarao, é uma das cidades mais afetadas pelo Mangkhut. Há relatos de nenhum prédio da cidade está intacto depois da passagem do tufão.

Veja os estragos causados pelo tufão nas Filipinas: