A professora Bruna faz um atendimento individual com a aluna Zobaida Khamis, de 13 anos. Zobaida é síria e veio para o Brasil como refugiada junto com a sua família. Ela está em seu último ano no projeto “Cidadãs do Mundo” criado pela ONG IKMR

Durante o projeto, os alunos têm atendimentos individualizados. Na maioria das vezes, as educadoras vão até as casas das crianças e ajudam as crianças com suas dúvidas específicas

Nas quartas-feiras, as aulas acontecem em uma mesquita na região do Brás, onde mais crianças podem ser atendidas de uma única vez

Nas aulas que acontecem dentro da mesquita, os pais também saõ convidados a participar. Nour Khamis, acompanha as filhas de longe, mas também está presente nas aulas de português. Os pais são incentivados pela IKMR a aprender o idioma

Depois que as dúvidas dos estudantes são sanadas, a educadora propõe jogos e atividades onde eles podem exercitar seus conhecimentos de forma prática. As turmas são mistas e atendem crianças até 13 anos

As educadoras do IKMR acompanham a vida escolar das crianças, na maioria das vezes, fazendo o intermédio entre a família e a escola onde as crianças estudam. Por isso, eles desenvolvem uma relação de muita fraternidade e apoio

Nour diz que não pretende voltar para a Síria porque as pessoas no Brasil “têm muito bom coração”. Essa proximidade e atenção pode ser fundamental para diminuir os traumas de crianças que viveram em situações de conflitos