Ryan é o novo proprietário do Gin Aviation, uma bebida fabricada nos Estados Unidos, comprada por ele em fevereiro.

O produtor e ator Ryan Reynolds é famoso nos círculos da cultura pop pela franquia dos filmes “Deadpool”, presença global na mídia e o casamento com a atriz Blake Lively. Ryan também é o novo proprietário do Gin Aviation, uma bebida fabricada nos Estados Unidos, comprada por ele em fevereiro.

LEIA MAIS: 4 gins sazonais que vão revolucionar o seu paladar

Apesar de a aquisição ter sido há quase sete meses, a marca realizou uma coletiva com um pequeno grupo de jornalistas em Manhattan apenas no dia 7 de agosto, na qual o ator respondeu às perguntas da imprensa.

Leia, a seguir, os melhores momentos da entrevista com Ryan Reynolds:

FORBES: Todos os dias parece que há um novo gim sendo lançado em todo o mundo. Já chegamos ao pico da bebida?

Ryan Reynolds: Eu não sei. Eu só sei o que eu gosto. Para mim, a indústria cinematográfica e a indústria do álcool não são muito diferentes, pois ambas estão lançando ótimos produtos. Ambas fazem um excelente marketing. Com relação ao marketing, trata-se de uma conexão com o produto. Eu tenho uma conexão incrível, autêntica e apaixonada com o Gin Aviation. Mas se estamos chegando ao pico do gim? Eu não sei, eu diria que chegamos ao pico da vodca ou do uísque. Na minha opinião, havia uma enorme lacuna em branco nessa área.

F:Dado que o mercado está um pouco saturado, como você está se destacando?

RR: Para começar, eu acho que é o melhor gim do planeta, de verdade. Eu acho que isso é o que estamos fazendo para nos destacar. Mais e mais pessoas estão bebendo gim. Nós temos uma campanha de marketing realmente agressiva e inteligente por trás do produto. Qualquer um pode vender e fazer uma mudança rápida para convencer um consumidor sobre determinado produto, mas isso precisa ter uma comprovação real. Para mim, a prova está no próprio gim que oferecemos.

F: Houve uma curva de aprendizagem acentuada quando você se envolveu nesta nova indústria?

RR: Não, eu ainda não sei nada. E há um frescor nisso. Eu trabalho com pessoas excelentes que entendem o negócio do gim artesanal. Para mim, é sobre saber o que eu gosto. Quando estou em um set de filmagem, eu não sei necessariamente como pendurar luzes de 5 quilos para fazer com que todos pareçam bonitos e transformem a luz do sol no interior de um prédio. Existem muitos aspectos e nuances que eu não sei e estou animado para aprender. Para mim, trata-se principalmente de apresentar pessoas ao produto.

VEJA TAMBÉM: A nova onda dos gins brasileiros

F: Você está envolvido no marketing de muitos dos projetos de seus filmes. Quanto você está envolvido no marketing para a Aviation?

RR: Não é diferente de comercializar um filme. Quer dizer, eu amo marketing. Marketing é uma das minhas maiores paixões, além de atuar. Eu gosto especialmente quando ele é uma extensão do que você está tentando introduzir às pessoas. “Deadpool”, por exemplo. Adoro que a campanha de marketing dele sempre tenha sido, e sempre será, uma extensão direta do filme. Não mostramos apenas cenas do filme, mostramos cenas adicionais, coisas novas.

Com a Aviation, eu não tive que fazer muito. É mais viajar para Dallas e conversar com os compradores. Eu enfrento reuniões de diretoria enormes, por Facetime ou em hotéis. É um tipo de trabalho braçal. Essa é a parte que eu gosto. Eu não me importo de entrar em um quarto e conversar com as pessoas sobre por que eu amo tanto isso. Eu acho que é assim que você constrói o negócio. Eu não acho que você o construa por meio de coisas divertidas de mídia social ou vídeos virais – mesmo que tenhamos feito algumas dessas coisas, que também considero divertidas. É realmente mais sobre esse outro tipo de trabalho.

F: Você não tinha experiência em fazer gim quando entrou nesse projeto. Com o que mais você gostaria de se envolver?

RR: Eu amo os pormenores. Eu amo aprender sobre as operações do dia a dia. Eu sou um ator. Mas também sou produtor e escritor, então, quando estou trabalhando em filmes, eu tento equilibrar tudo isso. Porque o único outro trabalho que eu tive foi como motorista de empilhadeira e ninguém quer ouvir sobre isso.

Como produtor, tenho que descobrir como maximizar ao máximo o projeto com a quantidade de dinheiro disponível. Como investir em marketing. E eu gosto disso. Sempre há espaço para engenhosidades. Como aumentamos a distribuição e as vendas em países específicos? Um dos lugares onde a Aviation está indo muito bem é o Reino Unido. Eu nunca esperei isso. Eu não imaginava que as vendas aumentassem tanto no Reino Unido e em outras partes da Europa. Mas você não vai me ver na destilaria, fingindo que estou fazendo o gim. Toda a empresa estaria em chamas dentro de uma hora.

F: Qual é o seu conselho que você daria para pessoas que desejam seguir carreira em setores com os quais não estão familiarizadas?

RR: Eu acho que a paixão é o maior conselho. Isso e fingir até você conseguir. Se você simplesmente começar algo com amor, será contagiado. O mesmo ocorre na indústria cinematográfica, quando alguém agarra um roteiro e acredita nele. Eu vivi isso. Eu tive “Deadpool” por 10 anos antes da produção. Acho que a paixão, o impulso e a autenticidade se envolvem com a fabricação real do produto. Para mim, isso é tudo.

Para os mais jovens e empresários, basta subir ao palco. É difícil para algumas pessoas fazerem isso. É difícil para mim e estou no show business há 26 anos, desde que eu tinha 13. Entrar nesta sala é estressante. Isso é assustador, mas eu faço assim mesmo. Não é apenas sobre o que você está fazendo no computador, vá até os lugares e conheça pessoas, aperte as mãos, obtenha insights.

F: O que é um coquetel de gim atraente?

RR: Gin rickeys. É um tipo de bebida old school de F. Scott Fitzgerald. Eu fico só imaginando a bebida em um dia quente de verão…

F: Você está tentando uma venda no nível de Clooney, que vendeu a tequila Casamigos por US$ 1 bilhão para a Diageo?

RR: Isso seria horrível. Claro que você quer que o negócio seja extremamente lucrativo. Todos os envolvidos querem que isso aconteça. Mas também adoro as coisas do dia a dia. Eu sinto falta disso. E essa função se encaixou muito bem com meu outro trabalho. Se uma aquisição acontecer, eu tentaria rapidamente permanecer no negócio de alguma maneira pelo maior tempo possível.

F: Qual é a melhor bebida para fazer para os amigos?

RR: Você não pode errar com um Negroni. A bebida vai bem com o público abaixo dos 40 anos. Mas minha mãe ama Negronis e ela tem mais de 70 anos. E gosta de beber. Eu diria que é a [bebida] que me trouxe de volta ao gim.

F: Você tem que ter uma certa quantidade de gim da Aviation no set?

RR: Provavelmente esse não é o melhor lugar para ter muito gim. Eu nunca vou me esquecer quando, cerca de uma década atrás, eu entrei no trailer de Jeff Bridges depois de fazermos um filme. Foi depois do trabalho. Ele perguntou: “Hey Ry, você quer beber um pouco?”. Era Jeff Bridges, então eu disse: “Claro que sim”.

Ele me serviu um copo alto de uma espécie de vodca. Acho que foi a última vez que tomei essa bebida. Mas fiz isso para impressioná-lo. Quando saí daquele trailer, eu estava muito bêbado. Fui despejado e só voltei a ter consciência na manhã seguinte.

Normalmente eu tenho um pouco de Aviation no trailer, mas é para uma dose especial do depois do trabalho. Isso se estivermos filmando a noite.

F: Como você usou as mídias sociais para comercializar a marca?

RR: Eu não uso muito mídias sociais com a Aviation. Acho que fazemos uma boa quantidade saudável de uso delas. Na minha conta tem algumas coisas que merecem ser destacadas, mas acho que a ideia é que a empresa dependa menos da minha imagem. Afinal, isso é sobre o produto, não é sobre mim. Eu posso ser uma boa apresentação dele, mas ele precisa falar por mesmo.

O post Conheça o trabalho do ator Ryan Reynolds com gin apareceu primeiro em Forbes Brasil.