Macarrão instantâneo congela mais rápido que o tempo de seu cozimento (Foto: Cyprien Verseux/Twitter)

 

O glaciologista e astrobiólogo Cyprien Verseux trabalha na Estação Concordia na Antártida, uma das bases científicas mais remotas do mundo, e resolveu mostrar como é cozinhar ao ar livre. As temperaturas no continente podem ficar abaixo de -70 °C, impossibilitando o acesso ou uso de veículos – e dificultando o preparo de refeições. 

Os alimentos congelam instantanemanente, e Verseux resolveu fazer uma série de fotos sobre o fato. Para ajudar a manter-se ocupado em coletar amostras sobre o clima, ele mantém um blog e compartilha suas experiências. 

Ovos mexidos, fritos ou congelado? (Foto: Cyprien Verseux/Twitter)

 

"Ficamos sem comida fresca no início do inverno, já que não temos reabastecimento do começo de fevereiro até o começo de novembro, então comemos principalmente comida congelada", ele disse. "Como as temperaturas nunca são positivas, nós só a armazenamos a comida em recipientes externos."  

Leia também: 
+ Aquecimento global pode matar ursos polares de fome, diz estudo
+ Conseguimos lembrar do rosto de 5 mil pessoas em média, diz estudo

Não dizem que italiano come massa fria? (Foto: Cyprien Verseux/Twitter)

 

Segundo Verseux, a falta de oxigênio e a paisagem árida do deserto gelado fazem com que ele e os outros cientistas sintam como se estivessem vivendo em outro planeta. "Nós vimos o Sol em agosto depois de 3 meses. O ar é extremamente seco e pobre em oxigênio", contou. "É tão frio que os veículos não podem ir e vir. Atualmente, temos 13 pessoas aqui. Técnicos, cientistas, um cozinheiro e um médico." 

Cyprien Verseux (Foto: Cyprien Verseux/Twitter)

 

Apesar de ser distante e fria, a região é atraente para pesquisadores de diferentes áreas, como astronomia, fisiologia humana, glaciologia, ciências atmosféricas e geofísica. Verseux e seus colegas, por exemplo, estudam como o clima mudou no passado para dar uma visão das possíveis alterações no futuro.  

Òmelete geladinho chegando... (Foto: Cyprien Verseux/Twitter)

 

"As pesquisas produzem informações inestimáveis ​​sobre a mudança climática", ele afirmou. "É graças ao projeto EPICA, realizado aqui, que sabemos que os níveis de gases do efeito estufa, especificamente o dióxido de carbono e o metano, nunca foram tão altos nos últimos 800 mil anos." 

E aí, será que vai um sorvetinho? 

Pão com chocolate e ingrediente especial: gelo (Foto: Cyprien Verseux/Twitter)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pão com ovo gourmet leva bastante gelo (Foto: Cyprien Verseux/Twitter)

 

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app Globo Mais para ler reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, a partir de R$ 4,90, e ter acesso às nossas edições.