Conhecido como “A Quinta Estação”, o Carnaval da Croácia marca o final do inverno e o começo da primavera no país europeu. As ruas das cidades e povoados ficam cheias de cores, disfarces, desfiles e tradições inesquecíveis para quem participa da festa. As informações são de Daniel Galilea, da agência Efe

Mais de 50.000 pessoas se reúnem nas ruas de Rijeka — terceira maior cidade da Croácia — para participar do Carnaval em um espetacular desfile internacional que abre e encerra as festividades nesta cidade

Veja também: Políticos com cara de palhaço darão forma ao Carnaval de Nice

Outras cidades e vilas da baía de Kvarner, onde se situa Rijeka, e a região da Ístria, além de ilhas como Pag, também vivem este feriado com entusiasmo e intensidade, de acordo com o TdC (Turismo da Croácia, órgão local). O pequeno povoado de Samobor, que é famoso por seus bolos de creme chamados kremsnite, também tem prestígio por causa de seu Carnaval — que remonta a 1827 e é marcado pela sátira política e social, com milhares de máscaras que inundam as ruas com alegria

Assista: Famoso Pepino da Bolívia renasce às vésperas do Carnaval no país

A cidade de Djakovo, conhecida como “O Coração da Eslovênia” pela beleza e hospitalidade de seu povo, celebra o “Busari” — maior evento carnavalesco na parte oriental da Croácia, durante o qual os costumes são revividos com canto, dança e entretenimento nas ruas

Na costa da Dalmácia, a cidade de Split também oferece um programa cheio de diversão, embora lá os carnavais, em vez de apresentarem desfiles ordenados, em grupos que usam as mesmas máscaras, sejam mais “anárquicos e subversivos”, de acordo com o TdC

Já Dubrovnik é uma atração em si e, quando vestida de Carnaval, tão cheia de música e cor, torna-se uma viagem ainda mais inesquecível. Durante “A Quinta Estação” do ano, os habitantes desta cidade costeira colocam em prática o provérbio “Se nossos ancestrais se divertiram, também devemos fazê-lo”. A tradição foi reconhecida como Patrimônio Cultural pela Unesco em 2009 e, segundo o TdC, as gerações “têm preservado este espetáculo até os nossos dias, ajudando a fortalecer os laços de amizade entre as cidades e comunidades da região”