Aviões eram visados, por isso Chapo apostou em trens

Aviões eram visados, por isso Chapo apostou em trens
EFE/DEA – 25.2.2009

O famoso traficante Joaquín “El Chapo” Guzman foi considerado culpado de dezenas de crimes ligados ao tráfico internacional de drogas e pode ser condenado à prisão perpétua nos EUA. Durante seu longo julgamento, foi possível conhecer detalhes da distribuição e do fornecimento de drogas nos EUA vindo do Cartel de Sinaloa.

El Chapo tinha planos grandiosos e constantemente os colocava em prática. Conheça agora alguns de seus métodos.

Transporte por trem

Segundo Tirso Martínez, um funcionário do Cartel de Sinaloa, o transporte por trem era extremamente lucrativo. 

O esquema funcionava da seguinte forma: ele coordenava os envios de cocaína dentro de vagões de transporte de óleo de cozinha para Chicago, Nova York e outras cidades.

Cada carregamento levava entre 1,2 e 1,8 toneladas da droga. Os pacotes eram escondidos dentro de compartimentos especiais construídos dentro dos vagões-tanque, que depois eram completamente preenchidos com óleo para disfarçar a carga.

No total, o cartel teria transportado pela malha ferroviária dos EUA entre 30 e 50 toneladas. A estimativa é de que tudo isso tenha rendido até US$ 800 milhões (cerca de R$ 3,13 bilhões) no período.

Tráfico pelo mar

O megatraficante colombiano Juan Carlos Abadía revelou em um de seus depoimentos que quando os aviões passaram a ser mais visados pela polícia norte-americana, o cartel decidiu apostar em transportar suas cargas de drogas pelo mar.

A cocaína era levada por barcos de pesca e depois redistribuída entre lanchas.

Com o aumento da fiscalização, começaram a haver grandes prejuízos como afundamentos de carga, apreensões pela polícia e até mesmo um navio que simplesmente desapareceu.

No geral, cada embarcação carregava cerca de 20 toneladas de cocaína.

O uso de petroleiros

Como o uso do mar se tornou uma boa saída, Chapo decidiu engrandecer ainda mais a ideia e cogitou usar petroleiros para levar suas cargas do Equador para o México.

Segundo o traficante Jorge Cifuente, Chapo queria usar os petroleiros da estatal mexicana Pemex para transportar seus “produtos”.

A ousadia dos grupos era tamanha que eles confessaram ter pago propina a diversos membros do Exército e da Marinha do Equador para garantir a segurança da carga.