Fields em protesto da extrema-direita em Charlottesville

Fields em protesto da extrema-direita em Charlottesville
Eze Amos / Reutes / 12.8.2017

O norte-americano James Fields Jr, participante de movimentos de supremacia branca, foi considerado culpado por um júri no estado da Virgínia, por ter atropelado 19 pessoas e matado uma mulher durante os protestos na cidade de Charlottesville, em agosto de 2017.

Segundo a decisão, Fields é culpado do assassinato em primeiro grau de Heather Heyer, 32, que estava em meio a um grupo de antifascistas que protestavam contra o movimento “Unir a Direita”, que tomou conta de Charlottesville nos dias 11 e 12 de agosto do ano passado.

Ele também vai cumprir pena por cinco acusações de lesão corporal com agravantes, três de lesão corporal simples e uma por não ter prestado socorro a Heather Heyer, que ele atropelou.

Segundo julgamento

Fields, que deve receber sua sentença na próxima semana, ainda será julgado por 30 acusações de crime de ódio por um júri federal, o que pode aumentar o tempo que ele irá passar na cadeia.

Na Justiça Federal, ele vai responder por outros 28 crimes de ódio por lesões corporais e tentativa de assassinato contra as 19 pessoas feridas no acidente e mais um por violência por motivos raciais.

O caso

Em 11 de agosto do ano passado, organizações da extrema-direita norte-americana fizeram um imenso protesto em Charlottesville, contra a retirada de uma estátua do general confederado Robert F. Lee, principal comandante do exército dos estados do Sul dos EUA, que defendiam a manutenção da escravidão na Guerra de Secessão do século 19.

Nesse dia, milhares de supremacistas brancos tomaram conta do campus da Universidade da Virgínia, onde ficava a estátua, portando tochas e cantando músicas antissemitas. No dia seguinte, centenas de manifestantes foram a Charlottesville para fazer protestos contra os supremacistas.

Segundo testemunhas, Fields acelerou seu carro contra um grupo desses manifestantes e atropelou pelo menos 20 pessoas. Heather foi a única vítima fatal. O motorista fugiu sem prestar socorro, mas foi preso dias depois.