Kyrie Irving afirmou que se arrependeu de disseminar a teoria conspiratória da Terra plana  (Foto: Flickr / Interop Events)

 

O jogador norte-americano de basquete do Boston Celtics, Kyrie Irving, pediu desculpas aos professores de ciências durante evento nos Estados Unidos, por disseminar a teoria da conspiração sobre a Terra Plana. O astro da NBA alegou que não sabia o quanto suas palavras poderiam influenciar as pessoas. Em junho, Irving se afirmou que não sabia se a Terra era de fato redonda. Ao questionar teorias cientificamente comprovadas, Irwing acabou dificultando o trabalho dos professores.

Uma investigação da NPR de 2017 revelou que os professores norte-americanos sentem que estão perdendo a batalha contra as “notícias falsas” que os estudantes encontram online. Um professor, Nick Gurol, disse à rede de rádio norte-americana NPR que seus alunos do ensino médio acreditam que a Terra é plana porque Irving disse isso. Ele perguntou: "Como eu falhei tão mal com esses garotos que eles acham que a Terra é plana só porque um jogador de basquete diz isso?"

Leia mais: 
Chegou a vez de Neil DeGrasse responder aos terraplanistas
Em nova tentativa, homem voa em foguete para 'provar' que Terra é plana

Ao ser entrevistado pelo editor da Forbes, Kurt Badenhausen, o jogador norte-americano afirmou que se arrependeu de ter dito tais coisas, embora não tenha dito explicitamente que acredita que a Terra seja redonda. “Mesmo se você acredita nas teorias da Terra plana, simplesmente não saia e diga essas coisas”, aconselhou o jogador.

Irving disse que foi influenciado por vídeos no YouTube que tratavam do assunto. Isso o fez mais um integrante de um grupo de pessoas que acreditam nas teorias da conspiração que, entre outras coisas, alega que a Terra é plana e que o governo dos Estados Unidos seria um grande mentiroso sobre o assunto.

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app da Globo Mais para ver reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, por R$ 4,90.