Enquanto você lê este texto, o Universo segue em seu contínuo processo de criação e destruição. Se velhas estrelas colapsam e explodem, novos objetos são formados e se desenvolvem. E graças às técnicas desenvolvidas pelos astrônomos, é possível estudar com detalhes o processo de formação de estrelas e planetas recém-nascidos. Com o auxílio do ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array, o radiotelescópio mais sensível do mundo), pesquisadores do Observatório Europeu do Sul (ESO) descobriram três planetas recém-nascidos orbitando a jovem estrela HD 163296.

Com "apenas" 4 milhões de anos de idade, a estrela é quase mil vezes mais jovem que o nosso Sol e está localizada a cerca de 330 anos-luz de distância da Terra, na constelação de Sagitário.

Leia mais: 
+ Astrônomos localizam estrela que orbita um buraco negro 
+ Foto revela as entranhas do berçário de estrelas mais próximo da Terra

Para localizar os três jovens planetas, os pesquisadores notaram três distúrbios no disco de gás localizado ao redor da estrela. Esse padrão incomum foi um indício para constatar a presença do sistema interplanetário. 

Localizado no Deserto do Atacama, no Chile, o ALMA é um dos poucos instrumentos no mundo capaz de estudar os objetos astrofísicos em comprimentos de onda que beiram um milímetro, ou menos. Por conta disso, os astrônomos conseguem expandir seus parâmetros de análise para identificar objetos espaciais até então desconhecidos.

Com a aplicação da técnica inédita, os cientistas acreditam que será possível identificar novos planetas e expandir o conhecimento de nossa galáxia. 

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app da Globo Mais para ver reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, por R$ 4,90 e baixar o app da GALILEU.