Ver a porção online de um jogo deixar de funcionar é algo lamentável, mas e quando o título que tem seus servidores desligados deixa de existir completamente, como é o caso dos MMOs? Com vários jogos deste gênero tendo sido lançado nos últimos anos, isso infelizmente tem acontecido com maior frequência e para tentar acabar com o problema, um museu na Califórnia está tentando mudar a lei norte-americana que visa proteger os direitos autorais.

Alegando que o objetivo seria proteger a memória dos jogos eletrônicos, o Museu de Arte e Entretenimento Digital (MADE, na sigla em inglês) solicitou que o Digital Millennium Copyright Act (DMCA) faça uma exceção ao títulos online, para que assim aqueles que deixaram de existir possam ser reativados.

Os jogos online se tornaram onipresentes e só têm crescido em popularidade,” diz um trecho do pedido feito pelo museu. “Por exemplo, estima-se que 53% dos gamers joguem títulos multiplayer pelo menos uma vez por semana e gaste em média seis horas por semana jogando online com os outros.

Como a cada três anos o DMCA estuda mudanças em suas regras, na vez passada já havia ficado decidido que jogos multiplayer cujas porções haviam sido desabilitadas poderiam voltar a funcionar através de redes locais. Porém, os responsáveis pelo MADE alegam que hoje em dia raramente vemos jogos que contem com suporte a partidas locais ou mesmo via LAN.

Outro problema levantado pelo museu está na exigência de estarmos conectados mesmo durante campanhas single-player, algo que infelizmente temos visto aparecer com maior frequência nos jogos e como você já deve ter imaginado, fatalmente fará com que cedo ou tarde muitos títulos se tornem “injogáveis”.

A ideia então é que museus, bibliotecas e arquivos ganhem o direito de manter servidores para jogos cujas editoras optaram, seja lá por qual motivo, por encerrar o suporte oficial. Se isso de fato acontecer, poderá chegar o dia em que teremos novamente o acesso a diversos MMOs que hoje só vivem na memória daqueles que por muito tempo se dedicaram a viver em seus mundos virtuais.

Caso não lembre, uma campanha parecida foi lançada pela Electronic Frontier Foundation em 2014, quando a entidade pediu que a Biblioteca do Congresso e o Escritório de Direitos Autorais dos Estados Unidos permitissem que terceiros reativassem títulos online que foram “abandonados” por seus criadores.

Fonte: PCGamesN.

The post As leis de direitos autorais deveriam ser mais brandas para MMOs extintos? appeared first on Meio Bit.