Após participar de missa, Haddad pede paz e promete assistência à infância

Candidato do PT disse que quer toda criança acima de 4 anos na escola.

Fernando Haddad foi à missa com a candidata a vice, Manuela d’Ávila, e a mulher, Ana Estela.

SELO-ELEIÇÕES-2018-100O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad,
participou na manhã de hoje (12) de missa em homenagem a Nossa Senhora
Aparecida e ao Dia da Criança na Paróquia dos Santos Mártires, no Jardim
Ângela, bairro periférico da zona sul paulistana.

Após a cerimônia, que lotou a igreja, Haddad pediu paz e prometeu mais atendimento à infância, se for eleito. 

Depois da missa, já na rua em frente à igreja, Fernando Haddad
lembrou a reunião que teve nesta semana com representantes da
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e falou sobre os
princípios acordados com a organização religiosa. “Preservar a vida,
combater a violência, combater a corrupção, preservar o meio ambiente e
garantir a democracia. Alguém é contra isso?”, perguntou Haddad aos
presentes, que o aplaudiram. Em seguida, o padre Jaime Crowe manifestou
apoio para o candidato petista.

Haddad disse que tem como meta colocar toda criança a partir de 4
anos na escola. “Vamos fazer busca ativa de crianças que ainda não estão
na escola nesta idade, porque é obrigatória a matrícula desde que eu,
como ministro da Educação, propus e foi aprovada a Emenda Constitucional
n° 59”, afirmou, em entrevista à imprensa. Durante o ato, entregou ao
padre Jaime um livro com os resultados do Projeto São Paulo Carinhosa,
executado durante sua gestão na prefeitura de São Paulo.

Em seu sermão, Crowe lembrou as vítimas da violência, inclusive em
campanhas políticas, e o fato de, em 1996, o Jardim Ângela ter sido
apontado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como a região urbana
mais violenta do mundo, com 130 mortes a cada 100 mil habitantes.

Naquela década, com apoio da Igreja Católica, foi criado o Fórum em
Defesa da Vida, que reúne os moradores do bairro mensalmente para
discutir melhorias e formas de promover a paz. Todos os anos, no dia 2
de novembro, a comunidade promove uma caminhada pela paz.

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, não teve agenda nesta manhã.

Perseguição

Em entrevista à imprensa, Haddad contou que, ontem (11), em Brasília,
após sair de reunião na CNBB, em Brasília, sua equipe foi perseguida
por apoiadores de Bolsonaro. Haddad disse que um deles proferiu ofensas à
Igreja Católica e que, então, ele e os repórteres optaram por fazer a
coletiva de imprensa em um hotel. De acordo com o presidenciável, no
percurso, uma caminhonete tentou furar o bloqueio da comitiva. 

Ao chegar ao local, a Polícia Federal, que acompanha o candidato,
identificou o agressor e o liberou. “Inspira alguma preocupação que
depois de atacar mulheres, LGBTs e negros, passem a atacar católicos”,
afirmou Haddad.

A Agência Brasil procurou a Polícia Federal para falar sobre o caso, mas ainda não houve retorno até a publicação desta reportagem.