Andreia Horta (Foto: Reprodução)

Com uma carreira de atriz já consolidada, Andreia Horta foi convidada para apresentar nova temporada de O País do Cinema, exibida desde o fim de julho no Canal Brasil. Para à revista Quem, ela contou que logo de cara se sentiu tentada a aceitar o convite e viver a nova experiência.

+Amiga íntima de Leo Dias, Antônia Fontenelle revela se tira ou não o chapéu para Mara Maravilha e faz revelação

“Era algo que eu nunca tinha feito e o que me fez aceitar foi a oportunidade de conversar sobre esse tema e com pessoas que dedicam sua vida ao cinema. Isso me deixou muito entusiasmada e muito acesa pra esse novo universo”, explicou Andreia Horta, que disse ter recebido o convite de Marcelo Ludwig Maia, o diretor.

Andreia Horta estreia como apresentadora e fala sobre a oportunidade
Andreia Horta agora é apresentadora (Foto: Artur Meninea/Gshow)

Ela falou sobre o maior desafio em apresentar o programa. “Eu tive excelentes convidados e precisava deixá-los à vontade para falar da criação do trabalho deles. Por isso, para mim, o maior desafio desse programa, como apresentadora, foi conseguir conduzir uma boa conversa e mantê-la interessante sob o ponto de vista do convidado e do telespectador”, disse ela.

ATRIZ VIROU CHACOTA 

Completando 35 anos nesta sexta-feira, 27 de julho, Andreia Horta, uma das atrizes de sucesso da TV Globo, conversou com o portal Gshow e fez algumas revelações dentre elas que era motivo de chacota na infância por parte dos amigos.

“O bairro onde nasci e cresci era muito humilde e os meus colegas perguntavam: ‘O que você quer ser quando crescer?’ Eu dizia: ‘Atriz’. Era motivo de chacota”, revelou ela, que esteve no ar recentemente com a vilã Lucinda em Tempo de Amar.

Andreia Horta estreia como apresentadora e fala sobre a oportunidade
Lucinda (Andreia Horta) e Fernão (Jayme Matarazzo) em cena de Tempo de Amar
(Foto: Marília Cabral/Globo)

E ela completa: “Na adolescência, tive que tomar a decisão se atuar seria a minha atividade principal na vida ou não… Não tinha como não ser! Eu morreria de tédio se não fosse”.