Ao todo, seis trabalhadores humanitários permanecem sequestrados na Somália, depois de serem capturados por integrantes do grupo terrorista Al-Shabab na quinta-feira (9), informou à Agência Efe o governo local.

Os reféns pertencem ao Crescente Vermelho (a Cruz Vermelha muçulmana) e estavam nos arredores da cidade de Baidoa quando tudo aconteceu, de acordo com o governo de Bay. A equipe, que participava da distribuição de alimentos, foi levada para uma cidade distante, onde a organização tem uma base.

As famílias tentam negociar com os jihadistas, mas ainda não houve resultados. Há alguns meses, outro sequestro parecido aconteceu na mesma região. As vítimas foram soltas após o pagamento do resgate.

A Al-Shabab é atualmente o pior inimigo dos trabalhadores humanitários que estão na Somália atuando ao lado das comunidades mais desfavorecidas, atingidas por conflitos, deslocamentos forçados e a seca.