Milhares de imigrantes que estão atravessando o México em caravanas, buscando chegar à fronteira dos EUA para pedir asilo político, chegaram à Cidade do México nesta semana. Com milhares de quilômetros ainda a percorrer, eles decidiram se reagrupar e descansar um pouco na capital mexicana

A maior parte dos imigrantes vem da América Central. São pessoas de Honduras, El Salvador e Guatemala que se uniram para deixar seus países para fugir da violência das gangues e cartéis de traficantes, da violência da polícia e, em alguns casos, de violência doméstica

Acompanhe o noticiário internacional no R7

Pouco a pouco, milhares de pessoas se uniram em três grandes caravanas. As duas primeiras, que saíram de Honduras há cerca de um mês, estão na capital mexicana desde o início na semana. Os integrantes fizeram uma assembleia nesta quarta-feira (7), para definir os próximos passos

Parte dos imigrantes que estão abrigados em um estádio municipal, dormindo em barracas e na arquibancada, pretendia esperar alguns dias para tentar uma audiência com o futuro presidente do México, Manuel Andrés López Obrador, que já disse que quer abrir a possibilidade para que um número de pessoas possa ficar no país

Segundo autoridades mexicanas, atualmente 4,6 mil imigrantes estão no abrigo montado no estádio. Os organizadores da caravana, no entanto, afirmam que o número oscila entre 6,5 mil e 7 mil pessoas

A maior parte dos imigrantes, no entanto, deseja seguir viagem rumo aos Estados Unidos. No país vizinho, no entanto, o presidente Donald Trump já se mostrou absolutamente contrário à ideia de admitir a entrada de mais estrangeiros

Milhares de soldados norte-americanos foram enviados à fronteira por ordem de Trump, para reforçar a segurança e tentar impedir que os imigrantes atravessem a divisa

Enquanto isso, a terceira caravana, composta principalmente por refugiados saídos de El Salvador, ainda está no sul do México, se deslocando lentamente na direção da capital

Os imigrantes chegam a andar quase 50 quilômetros por dia, debaixo de sol e passando muita necessidade. Para conseguir, vale pedir carona no pedágio para conseguir encurtar um pouco a distância

Outros, como este refugiado que se agarrou às travas da porta traseira do caminhão no meio da estrada, se arriscam de maneiras mais perigosas

A jornada é mais perigosa e intensa para idosos e crianças. Este menino tenta ajudar a família a transportar os poucos suprimentos que ainda possuem

Com doações de moradores e ajuda do governo, os imigrantes vão conseguindo se manter, descansar um pouco e se alimentar ao longo do trajeto até o sonho de cruzar a fronteira

Quando um caminhão vazio para e oferece uma carona na estrada, dezenas de centro-americanos enchem as caçambas, se acomodando da melhor maneira possível

No caminho, as crianças aproveitam as raras oportunidades que aparecem para brincar um pouco. Este menino, de 4 anos, se divertiu durante o banho em um rio próximo à cidade de Tapanatepec

Segundo a Acnur (Alto Comissariado das Nações para Refugiados), cerca de 1,2 mil dos imigrantes devem optar por permanecer no México, mas isso ainda depende da aprovação do governo local

Como a Cidade do México é considerada uma “cidade-santuário”, em teoria receptiva a imigrantes, é possível que eles consigam obter permissão para ficar no país e recomeçar suas vidas