Seja um serial killer fazendo várias vítimas ou apenas uma, um assassino é aquele que mata pessoas, independente do número, certo? Bom, de acordo com algumas leis meio dúbias isso está errado. A pessoa não precisa necessariamente ter matado alguém para ser considerada e julgada como assassina.

Essas pessoas, normalmente, estão envolvidas de alguma forma com um crime que terminou em assassinato e por isso são consideradas culpadas pela morte. É exatamente essa contradição que deixa as pessoas confusas sobre a condenação desses inocentes, pelo menos da morte de alguém. Falamos aqui de algumas dessas pessoas que, mesmo sem nunca terem matado ninguém, foram acusadas por esses crimes.

1 – Lakeith Smith

Em 2015, o menino de 16 anos, A’Donte Washington morreu em uma troca de tiros com a polícia do Alabama. O menino era parte de uma gangue que invadiu duas casas e roubou um carro. O tiroteio aconteceu quando eles estavam fugindo da cena do crime.

Quando a gangue estava sendo perseguida pela polícia, um dos membros, Jhavarske Jackson, de 19 anos, atirou contra os policiais, que devolveram o tiro e acabaram matando Washington. Mesmo sendo óbvio que a polícia havia matado o menino, foi um outro membro da gangue, Lakeith Smith, que foi sentenciado pelo assassinato do amigo. Isso aconteceu porque na lei do Alabama, um criminoso pode ser acusado de qualquer morte que tenha acontecido durante um crime, mesmo que ele não tenha matado ninguém.

2 – Mervin Bettis

Esse ladrão, de 36 anos, foi preso em 2011, quando tentava assaltar uma loja na Flórida. Ele foi preso pelo ex-agente do FBI e segurança da loja, Russel Horner. Mas quando Horner algemou Bettis, ele teve um ataque cardíaco que o matou.

Bettis foi acusado de assassinato em terceiro grau pela morte de Horner. Nas leis da Flórida, um criminoso pode ser acusado de assassinato em terceiro grau quando a morte acontece em um crime não violento, e foi exatamente isso que aconteceu com Bettis. Ele cumpriu cinco anos por esse “assassinato” que não cometeu.

3 – Tevin Louis

Os melhores amigos, Tevin Louis e Marquise Sampson, se ajudavam em tudo, inclusive nos crimes que eles cometiam. Tudo certo, até que em 2012, eles estavam saindo de um restaurante em Chicago com 1.200 dólares e foram perseguidos pela polícia.

Os dois amigos se separaram e Louis conseguiu escapar, mas Sampson foi baleado e morreu. Quando Louis chegou no lugar em que tinha acontecido o tiroteio do seu amigo com a polícia, ele foi preso por cruzar a linha policial. Depois que a polícia descobriu que ele era cúmplice de Sampson, eles o acusaram pelo assassinato do amigo. Louis foi sentenciado a 32 anos pelo assalto e a mais 20 pela morte do amigo.

4 – Kristoffer Thomas Craft

Em 2017, esse homem do Texas bateu seu carro enquanto bebia , usava o celular e dirigia ao mesmo tempo. Ele não estava sozinho no carro, seu filho, Colton Craft, de sete anos, estava no banco da frente e não estava usando o cinto de segurança. Depois da batida, a atitude do pai foi o que mais impressionou.

Ao invés de ir ajudar o filho que estava no carro, Craft foi pegar suas latas de cerveja que estavam espalhadas pela estrada. Ele também impediu que as pessoas, que pararam para ajudá-lo, ligassem para a emergência ou ajudassem seu filho e ainda tentou fugir do local do acidente. O homem foi acusado de assassino depois que Colton morreu com os ferimentos do acidente. Ele recebeu um sentença de 18 anos.

5 – Justin Doyle

Em 2008, esse menino de 15 anos e mais dois amigos invadiram uma casa que pensavam que estava vazia, em Illinois. Mas os jovens foram surpreendidos pelo dono da casa, que começou a atirar nos meninos quando viu que eles estavam roubando suas armas. Um dos tiros atingiu Travis Castle, de 14 anos, e o matou.

O dono da casa não foi acusado de nada, ao invés disso, foi Justin Doyle, um dos ladrões, que foi o acusado pela morte de seu amigo. Na lei de Illinois, uma pessoa pode ser acusada responsável por qualquer morte que tenha acontecido durante um assalto. Doyle foi sentenciado a 30 anos de prisão pelo assassinato de Castle.

6 – Neko Wilson

Em 2009, seis assaltantes invadiram a casa de Gary e Sandra DeBartolo, na Califórnia, com a intenção de roubar a maconha que o casal supostamente tinha em casa. Não se sabe ao certo o que aconteceu, mas o casal acabou morto com suas gargantas cortadas. Todos foram acusados pela lei de homicídio doloso.

Um dos ladrões era Neko Wilson, de 27 anos, que também foi acusado mas não estava nem ao menos dentro da casa durante o crime. Ele estava esperando os outros em um carro do lado de fora, mas pelas leis da Califórnia, ele foi acusado porque estava envolvido no planejamento do roubo.

7 – Danny Smith Jr.

Em dezembro de 2016, um homem chamado Maunds Bryant ganhou 420 mil dólares em uma loteria de Illinois, e Danny Smith queria uma parte desse prêmio para si. Como o homem não podia simplesmente pedir o dinheiro, ele sequestrou Bryant e seu padastro e pediu um resgate de 25 mil dólares.

O que Smith não previu era que Bryant sofria da doença de Lou Gehrig e não conseguia andar. Na hora do sequestro, ele caiu no chão e bateu a cabeça, o que levou à sua morte. Smith foi condenado a 48 anos de prisão pela morte do homem.

Essa matéria 7 histórias de assassinos que não mataram ninguém foi criada pelo site Fatos Desconhecidos. E somente copiada por esse portal.