O maior trunfo para a situação vencer as eleições do Palmeiras tem nome e sobrenome. Paulo Nobre. Embora o presidente não possa concorrer à nova reeleição, já está decidido. Se o seu candidato, o primeiro vice Mauricio Galiotte, vencer, ele deverá seguir no clube com um cargo extraoficial, orientador financeiro, por exemplo.

Até conselheiros da oposição garantem que a estratégia é quase imbatível de ser vencida. Galiotte e Nobre têm a bênção de Mustafá Contursi. Ele é muito mais próximo de Mauricio e não quer Genaro Marino como presidente. Os dois têm um desentendimento histórico.

Além do apoio de Mustafá, Galiotte teria a seu favor a segurança econômica oferecida pelo bilionário Paulo Nobre. Isso acalma os conselheiros, que viram o quanto foi importante o dirigente emprestar mais de R$ 135 milhões ao clube. Só esse dinheiro garantiu o pagamento das dívidas e a montagem do elenco mais valioso do país.

Além disso há a 'chantagem emocional' feita no banquete de 102 anos de clube, ontem. O aniversário é hoje. Na festa, Nobre disse a repórteres que não poderia antecipar a renovação de contrato de Cuca e nem de Alexandre Mattos. Isso seria tarefa do novo presidente.

Além disso, há o contrato com a Crefisa e a Faculdade das Américas. O contrato de R$ 58 milhões por todo o uniforme do Palmeiras só vale até dezembro. E foi fechado graças ao relacionamento entre Nobre e José Roberto Lamacchia. Está claro que, se o candidato que Nobre indicar não vencer, Lamacchia pode procurar outro clube.

Além disso há as várias pendências com a WTorre. Recorrer ao aporte bilionário de Nobre, se preciso for, será algo fundamental ao novo presidente.

A oposição palmeirense está esfacelada.

Conselheiros ironizam.

Seguir com elenco milionário, Cuca, Alexandre Mattos e Crefisa. Esta será a vantagem indecente de Galiotte, o candidato do bilionário Paulo Nobre. O poder econômico deve garantir seu sucessor...

Dizem que Galiotte dividirá o comando do clube com Nobre. Caso a situação vença também uma eventual reeleição, o atual presidente terá oito anos de poder. Isso se não quiser voltar e buscar mais quatro ou mais anos, já que deverá haver uma mudança de estatuto. E os mandatos passarem de dois para três anos.

Resumo: se Galiotte vencer, Cuca e Alexandre Mattos continuam. Assim como a Crefisa e FAM. Se ele perder, o Palmeiras começará do zero no futebol profissional e na busca de patrocínio.

Nobre já tem a certeza de vitória.

A eleição será entre os últimos dias de novembro e os primeiros de dezembro. No banquete de ontem, inúmeros conselheiros asseguraram apoio e votos em quem Nobre indicar. Há a chance de Marino decidir ser candidato dissidente, mesmo sem contar com o aval da situação. O que seria apenas perda de tempo.

Nobre está exultante.

Sabe. Sua influência no Palmeiras não acabará.

Mesmo depois do segundo mandato, seguirá poderoso.

Por isso, o tom otimista de seu discurso ontem à noite.

Seguir com elenco milionário, Cuca, Alexandre Mattos e Crefisa. Esta será a vantagem indecente de Galiotte, o candidato do bilionário Paulo Nobre. O poder econômico deve garantir seu sucessor...

"Quando eu estava me preparando para fazer esse discurso, um filme passou na minha cabeça, tudo o que aconteceu nesses três anos e meio. Lembro muito bem quando tínhamos apenas duas semanas do primeiro mandato. Lembro que liguei para o meu grande amigo, doutor Augusto Pompeu de Toledo, dizendo que eu estava desesperado, que eu não imaginava o tamanho do Palmeiras, o tamanho da responsabilidade que passava a estar nas minhas mãos. Eu pensava: faltam ainda 98 semanas para acabar. Hoje, estamos já no segundo mandato, a 16 semanas do final, e eu percebo que o gigantismo do Palmeiras reverte absolutamente qualquer situação. Basta trabalhar com seriedade.

"Eu pensei muito no que dizer a todos os senhores hoje, e a palavra é "muito obrigado". Muito obrigado a todo o grupo de diretores que estiveram do meu lado nesses três anos e meio, mesmo nos momentos mais difíceis, onde a gente foi mais criticado. Estiveram sempre firmes e remando para o mesmo lado. Não fossem os senhores, jamais o Palmeiras teria saído do lugar. Queria falar muito obrigado a todo o Conselho Deliberativo e a toda a torcida do Palmeiras, que tanto confiou no nosso trabalho. Nos elegeram em 2013 e principalmente nos reconduziram ao cargo no final de 2014, onde nossa responsabilidade aumentou muito, porque o nível de confiança depositado na gestão foi tão grande quanto o Palmeiras.

"Hoje, acaba sendo meu último banquete como presidente. Fico pensando: será que as pessoas têm noção do que se passa quando se senta nessa cadeira? Quando o Palmeiras perde no domingo, todo palmeirense fala: "Não quero mais saber disso até a próxima quarta-feira, quando tem o próximo jogo". Quem dirige o clube só tem direito a uma noite de luto, porque segunda-feira os problemas são os mesmos e o Palmeiras não para.

"Quando você sai do olho do furacão e olha onde nós estávamos e onde chegamos é para encher de orgulho todo palmeirense. Tivemos momentos e anos muito, muito sofríveis, e hoje somos considerados o time mais valioso do Brasil e da América Latina. Isso é um feito, acho que todo palmeirense acaba se orgulhando. Durante esse período, nós escutamos muitas coisas, como por exemplo: "Futebol não é para mané, futebol é para malandro". Hoje eu digo para os senhores, sem medo de errar: a maior malandragem do futebol é ser honesto. Porque sendo honesto você consegue atrair mais e mais negócios e não dá um passo para frente para logo em seguida dar dois para trás.

Seguir com elenco milionário, Cuca, Alexandre Mattos e Crefisa. Esta será a vantagem indecente de Galiotte, o candidato do bilionário Paulo Nobre. O poder econômico deve garantir seu sucessor...

"Senhores, as coisas não acontecem por acaso. É muito trabalho. Foi trabalhando com muita seriedade que chegamos ao final da primeira gestão, depois de muita dificuldade para conseguir sobreviver naquela Primeira Divisão, que nós, com projetos sérios e atraentes, conseguimos atrair o maior patrocinador do futebol brasileiro. Eu quero aqui, em público, agradecer muito à Crefisa e à FAM, que acreditaram não só no Palmeiras como em tudo que estava sendo plantado. Hoje, devagarzinho, nós começamos a colher. Patrocinador forte deixa o clube saudável financeiramente. Estando saudável financeiramente você consegue montar um grande elenco. Montando um grande elenco é natural que sua arena fique sempre cheia. Está certo que a arena é muito cara, mas quando ela fica cheia e é bem administrada, pode gerar também muitos recursos. Uma arena cheia acaba gerando um programa de sócio-torcedor muito forte, e hoje nós temos o mais rentável do Brasil. Em suma, nós acabamos gerando aquele tão esperado círculo virtuoso, e com círculo virtuoso tudo o que o Palmeiras acaba promovendo se envolve nessa atmosfera de otimismo, como o aplicativo do Palmeiras, com número absurdo de downloads, ou a TV Palmeiras, ou a Família Palmeiras. Acreditamos e provamos que responsabilidade gera sucesso econômico, e o sucesso econômico naturalmente geral sucesso esportivo, que é o objetivo da Sociedade Esportiva Palmeiras.

"É natural, se aproximando as eleições, que as pessoas fiquem ansiosas pelo que vai acontecer com o futuro do Palmeiras. O que eu posso dizer a todos os senhores é: "Calma, palmeirense! Com certeza absoluta, o próximo presidente vai pegar um clube muito mais administrável do nós que pegamos e certamente fará uma grande gestão". Eu só faço um pedido para vocês. Vamos permanecer unidos em torno do Palmeiras, vamos apoiar a próxima gestão para que ela possa fazer o melhor possível.

"O Palmeiras, senhores, é o verdadeiro Verdão do mundo. O Palmeiras é o clube verde mais popular do planeta. Nós somos, sem dúvida nenhuma, a maior família do mundo. Ano passado eu disse aos senhores que a tendência econômica já havia sido revertida e que o Palmeiras administrativamente já era outro, mas faltavam as conquistas esportivas. Conquistamos com muita galhardia no fim do ano passado a Copa do Brasil, o 12º título nacional da nossa história. Queria parabenizar a todos os envolvidos nessa conquista. Queria parabenizar principalmente os jogadores, mas também todos os profissionais, todos os estatutários, e principalmente toda essa torcida maravilhosa, que conduziu o Palmeiras, a cada jogo, a cada dificuldade, às vitórias.

"E aí eu pergunto aos senhores: estamos satisfeitos? E eu respondo: jamais! Porque o Palmeiras, senhores, é um time sem limites. Muito obrigado."

O desejo assumido é vencer a Libertadores de 2017.

E o sonho, vencer o Mundial do próximo ano.

Para acabar com a velha história de 1951.

A felicidade de Nobre tem fundamento.

Seu bilionário poder financeiro...
Seguir com elenco milionário, Cuca, Alexandre Mattos e Crefisa. Esta será a vantagem indecente de Galiotte, o candidato do bilionário Paulo Nobre. O poder econômico deve garantir seu sucessor...