Rio de Janeiro...

Maracanã...

"A partir de hoje, não quero mais ser capitão da seleção brasileira. É uma coisa que eu já conversei com a minha família.

"É uma mensagem até para o nosso novo treinador, o Tite, que eu não quero mais. Chega."

Demorou dois anos, mas finalmente Neymar tomou a decisão correta. Optou pela situação mais correta. Percebeu que não tem o menor perfil para ser capitão da Seleção Brasileira.

A faixa que Dunga tirou de Thiago Silva e colocou no seu braço virou uma maldição. Algo incompatível com seu gênio. Ele não tem o menor perfil para assumir todas as responsabilidades que a faixa exige.

Como controlar os nervos toda vez que é pressionado. Confundiu a capitania e o maior acesso aos árbitros. Acabou alvo fácil de cartões, expulsão, suspensão. Como melhor jogador do país e um melhores do mundo, acreditou que poderia reclamar, cobrar, xingar árbitros, bandeiras, adversários.

Outra situação importante. Que é definida por quem teve essa experiência, na Copa de 1970.

Neymar toma a decisão mais acertada. Deixa de ser capitão da Seleção. Reconhece que não tem o perfil. Agora pode se preocupar apenas em jogar futebol. Excelente para o time brasileiro...

"Eu jogava ao lado do melhor de todos, o Pelé. Era uma questão de personalidade. Eu sempre me senti à vontade para cobrar, incentivar os meus companheiros. Era um dom natural, não forçado.

"O Neymar não nasceu para ser capitão da Seleção. O cargo exige liderança. Não é fácil dar satisfações em derrotas. Falar nas vitórias é fácil. Não tem o menor cabimento o Neymar sair sem falar para os brasileiros na hora do fracasso. Ele não é e nunca foi capitão de verdade. Foi uma invenção do Dunga que deu completamente errado."

Micale percebeu que Neymar não suportava mais a pressão da capitania. O desgaste desnecessário. Mas esperava o jogador renunciar publicamente.

"Eu conversava, porque no começo de tudo a gente sabia da importância que era esse ouro. Sabia que além de companheiro eu era um ídolo para os garotos, então no começo todos me olhavam de uma forma diferente, mas no final a gente acabou virando amigo", diz Neymar.

"Eu acho que ele tinha uma grande responsabilidade como capitão e ele cumpriu. Quando sofremos críticas ele fechou o grupo e conversou com todos, ficamos unidos e tranquilos. Passou tranquilidade e é importante ter o Neymar como capitão", elogiava Zeca.

"É um gesto nobre da parte dele. Fez comigo isso no início, agora posso contar. Mas eu já tinha decidido que ele seria o capitão. Mas acho um gesto nobre deixar o Tite à vontade para escolher o futuro capitão. Mais uma vez demonstrou maturidade. É um líder, dedicado e saio daqui com as melhores impressões possíveis dele", disse Micale.

Neymar se antecipou à uma decisão que o novo treinador da Seleção Brasileira, Tite, estava disposto a tomar.

Neymar toma a decisão mais acertada. Deixa de ser capitão da Seleção. Reconhece que não tem o perfil. Agora pode se preocupar apenas em jogar futebol. Excelente para o time brasileiro...

Para não desmoralizar o grande jogador do futebol deste país, Tite iria instituir o rodízio da faixa, como era no Corinthians. Ameniza a importância de quem a tem no braço.

Renato Augusto destaca o ganho não só para Neymar.

"Ele sabe muito bem o que faz. Se ele não quer mais ser capitão, sem problema algum. O Tite pode fazer o rodízio e esta questão fica secundária. É um assunto a menos. Acredito que o efeito será positivo. Com Neymar mais concentrado no que realmente interessa. Jogar."

Renato Augusto será, com certeza, um dos capitães de Tite. Ele reúne visão tática e liderança. Foi o grande comandante do time olímpico.

E há outra situação importantíssima. As baladas. Neymar vai continuar fazendo suas festas. Estando ou não jogando na Seleção. Era algo que prejudicava muito o ambiente na Seleção Brasileira. Envolvia diretamente o treinador, o comandante do grupo. Refletia o privilégio.

Sem a faixa será muito melhor para a Seleção.

E principalmente para Neymar.

Ele que detesta dar satisfações.

Quando as coisas não dão certo.

Postura incompatível para o capitão do Brasil...
Neymar toma a decisão mais acertada. Deixa de ser capitão da Seleção. Reconhece que não tem o perfil. Agora pode se preocupar apenas em jogar futebol. Excelente para o time brasileiro...