O chocolate e o café são provavelmente os primeiros alimentos que as mulheres se preocupam em reduzir ou cortar da alimentação após engravidar, afinal, os dois são populares no nosso dia a dia. Mas, existe outro produto que está presente na mesa de muitas gestantes e passa despercebido: o adoçante. Será que ele faz mal?

Como existem diversos tipos de adoçantes, é difícil generalizar e dar uma resposta precisa para o caso. O aspartame, por exemplo, já foi tema de vários estudos diferentes para verificar a sua segurança. Ele é o adoçante mais popular e também um dos mais controversos, sendo apontado como possível causador de câncer.

Apesar de não haver uma resposta definitiva sobre a segurança do aspartame, vale lembrar que tudo que a gestante consome na gravidez pode afetar o bebê. Por isso, o ideal é evitar o produto para não correr nenhum risco desnecessário – os próprios médicos indicam que o aspartame seja evitado.

A stévia – aquele adoçante obtido a partir de uma planta – pode parecer uma boa alternativa, mas, apesar de ser natural e de nenhum estudo levantar dúvidas sobre a sua segurança, também não existem garantias de que ele possa ser consumido por gestantes. Então, o que fazer?

O ideal é evitar os adoçantes sempre que possível e usá-los só se você estiver acima do peso ideal de uma gestante. Caso contrário, procure manter uma alimentação saudável durante a gravidez e você não vai precisar recorrer aos adoçantes. Mas cuidado para também não abusar do açúcar!

Na dúvida, consulte sempre um obstetra para saber mais quanto a sua alimentação durante a gravidez. Acesse a Rede Credenciada Vale Saúde para encontrar o médico mais perto de você e marque a sua consulta.